9 de dez de 2011

Jeffrey Dahmer

Por Faby Banks
"Quando eu era criança eu era como qualquer outra pessoa."

Jeffrey Lionel Dahmer veio ao mundo em 04h34 no dia 21 de maio no Hospital Evangélico Deaconess em Milwaukee 1960. Segundo seu pai, Lionel, sua gravidez foi desejada e seu nascimento, festejado. Ele lembra-se do dia em que, Jeffrey já criança, cuidaram de um pássaro machucado e o viram voar, já curado. “Os olhos de Jeff estavam bem abertos e brilhavam. Talvez foi o momento mais simples e feliz da vida dele.”, falou seu pai, anos depois.
Na infância Jeffrey era como qualquer outro garoto, ele tinha dois pais, que amava e adorava o caro filho dando-lhe o que sempre o que ele precisava.  Joyce Dahmer começou um livro, gravava tudo que acontecia com o pequeno Jeff, seu primeiro passo, o seu primeiro acidente, seu primeiro dente, o seu primeiro corte de cabelo e até mesmo a sua primeira bronca. 
Enquanto Jeffrey era ainda muito jovem seu pai trabalhava longas horas em seu laboratório e sua mãe trabalhava como instrutora de teletipo.


Mas toda essa responsábilidade com Jeffrey tinha sido difícil para Joyce Dahmer e cada pequena coisa parecia irritá-la. Então Lionel sendo o marido o que ele era e querer o melhor para sua esposa mudaram-se para casa de sua mãe em West Allis, mas os problemas no casamento começaram a acontecer mais cedo. Havia brigas constantes entre Joyce e Lionel Dahmer e Jeffrey sofreu muito com isso.
Mal sabiam eles que as brigas constante seria um dos motivos para a queda de Jeffrey.

"Eu decidi que nunca vou me casar, porque eu nunca quero passar por algo assim" 

Pouco tempo antes do aniversário de quarto anos de Jeffrey, Jeffrey foi diagnosticado com uma hérnia dupla que precisava ser operado. Esta operação deixou Jeffrey se sentindo aberto e exposto, pois,  ninguém explicou Dahmer o que estava acontecendo. Ele se sentiu assustado com a operação, completos estranhos explorando seu corpo. Esta experiência é dito ter marcado seu subconsciente para sempre. 
Mas, como todo garoto da idade Jeffrey, ele subia em árvores de maçã, andava de bicicleta e brincava no pó de carvão voltando para casa sujo. 
Embora ele era extremamente tímido, enquanto crescia, ficava mais tímido.
Quando Jeffrey completou seis anos sua mãe deu à luz a um segundo filho que ela chamou de David. Embora este não ter sido um efeito dramático sobre sua vida, Dahmer ficou praticamente neutro para existência do irmão e eles nunca se aproximaram. 
Na época do nascimento de seu segundo filho Lionel Dahmer e sua família se mudou para sua própria casa em 4480 Bath Road West, cercado por floresta aberta, onde Jeffrey poderia perder-se em um mundo de faz de conta. 
Aos 8 anos, supostamente foi abusado por um vizinho, mas esta história nunca foi confirmada.
Por volta dos 10 anos, Jeffrey Dahmer já fazia “experiências” com animais mortos. Descorava ossos de galinhas utilizando ácidos. Pregou os restos de um cachorro a uma árvore, colocando sua cabeça em uma estaca. Não há certeza se torturava ou matava bichos ou se, como ele dizia ao pai, os achava mortos na estrada e recolhia-os.
Como Jeffrey cresceu em direção a puberdade, o seu isolamento e timidez só cresciam cada vez mais. Sua primeira experiência sexual com um garoto provou ser decepcionante e triste. 
Jeffery estava na idade onde ele teria que experimentar as alegrias da vida e da companhia de amigos, mas Jeffrey retirou para dentro de si e manteve sua vida um pouco de um segredo. 
A vida tinha que condicioná-lo para a luta dura que estava por vir, ele pouco sabia que com pouco mais de 16 anos se tornaria um dos mais famoso serial killers da América e ter assassinado 17 pessoas, desmembrando-los e dormir com há cadáveres e peças manutenção de sua vítimas como troféu.

"Este é o grand finale de uma vida mal gasta e o resultado final é apenas esmagadoramente deprimente ... Um doente patético, a história de uma vida miserável, que é tudo o que é"

Crimes:

O primeiro homicídio
Quando Jeffrey Dahmer tinha 18 anos, seus pais se separaram. Foi nesta idade o seu primeiro homicídio. Dahmer pegou um caronista, levou para sua casa, conversaram, beberam, possivelmente transaram. Quando ele quis ir embora, Dahmer acertou sua cabeça com um halteres, depois o estrangulou (“Eu não sabia mais como mantê-lo comigo.”, disse Dahmer depois), desmembrou seu corpo (e sentiu-se novamente excitado) e o enterrou no quintal.

Uma vida complicada

Dahmer se inscreveu então para um serviço de seis anos no Exército – na verdade, por causa dos problemas com a bebida, o pai de Dahmer deu-lhe duas opções: trabalhar ou ir para o Exército, já que na faculdade ele não conseguia se manter; Dahmer disse que não queria trabalhar, então seu pai o levou para o Exército.
Jeffrey Dahmer só ficou dois anos nas Forças Armadas, tendo sido dispensado por uso intenso de álcool. Passou grande parte deste período do Exército na Alemanha. A polícia alemã fez uma grande investigação, posteriormente, e aparentemente Dahmer não matou ninguém lá. Ao voltar, supostamente desenterrou a primeira vítima, para ver o estado em que se encontrava.
Em 1982, com 22 anos, mudou-se para a casa da avó, no Wisconsin. Neste ano teve um problema policial por atos obscenos em público (masturbação).

Jeffrey Dahmer volta a matar

Em setembro de 1987, tendo aí seus 27 anos, Jeffrey Dahmer começou a matar efetivamente, em Milwaukee. O primeiro, desta nova fase, foi assassinado em um quarto de hotel. Jeffrey diria depois que não se lembrava como o matou. Haviam bebido muito e quando Jeffrey acordou ele estava morto, com sangue na boca. Levou o corpo para casa, fez sexo com o cadáver, masturbou-se sobre ele, o desmembrou.
A segunda morte foi alguns meses depois, a vítima foi um jovem de 14 anos. Jeffrey Dahmer havia efetivamente se transformado em um serial killer…
Sua avó estava achando seu comportamento estranho, naqueles tempos, e o expulsou. Jeffrey trabalhava, na época, em uma fábrica de chocolate. Chegou a ser levado a julgamento por molestar um menor. O garoto era do Laos, da família Sinthasomphone. A acusação pediu uma pena grande, alegando que por baixo da superfície de calma daquele homem havia alguém bastante perigoso. Psicólogos que o avaliaram recomendaram hospitalização e tratamento, pois era manipulador e evasivo. A própria defesa argumentou que tratamento seria melhor que prisão, mas que Jeffrey Dahmer ainda tinha condições de ficar em liberdade. Dahmer colocou a culpa de seu ato no álcool e disse que foi um momento de “idiotice”, pediu perdão e disse que isto não ocorreria novamente. Foi condenado ao regime semi-aberto por um ano, devendo ficar 5 anos sob condicional.
Jeffrey Dahmer foi liberado da pena em dez meses, apesar de uma carta do seu pai pedindo que fosse solto apenas após receber tratamento.


Vítimas: jovens, homossexuais, negros.

Mesmo após os problemas judiciais, Jeffrey Dahmer continuou a matar. Suas vítimas eram todos homens, geralmente negros, alguns asiáticos, que conhecia em bares gays e atraía para sua casa, às vezes chamando para beber ou pagando-os para posarem para fotos. A vítima mais velha foi um homem de 31 anos.
Em sua casa, Dahmer os sedava com remédios na bebida. Antes e depois do homicídio, abusava deles sexualmente. Antes e depois, fotografava tudo. Depois de mortos, desmembrava os corpos, guardava partes deles. O primeiro crânio que guardou pintou-o de cinza, para parecer um modelo de estudo anatômico.
Teve, posteriormente, a ideia de tentar fazer “zumbis”, injetando ácidos em buracos feitos nas cabeças das vítimas, ainda vivas, para que ficassem apenas semi-conscientes e tornassem-se escravos seus. Obviamente, o experimento fracassou.
Além disto, houve canibalismo: fritava partes dos corpos e comia – embora Dahmer negasse que isto fosse uma prática comum.
Em maio de 91, quase foi pego. Um jovem de 14 anos, chamado Konerak, escapou do apartamento de Jeffrey – nu, sangrando, mas um pouco sedado. Duas mulheres o viram, na rua, e chamaram assistência. Dahmer apareceu antes da polícia, e as mulheres viram o jovem tentando resistir ao assédio de Jeffrey, embora sem condições de falar muita coisa. Elas tentaram dizer isto aos policiais, quando estes chegaram.
Mas Jeffrey Dahmer disse à polícia que o garoto era maior de idade e que eram amantes, e a história ficou por isto mesmo. O jovem não falava inglês e a polícia acompanhou Dahmer enquanto este levava o jovem de volta para o apartamento. Na cama de Dahmer estava o corpo de um outro homem, morto há três dias. Mas a polícia, no apartamento, só viu fotos de Konerak vestindo um biquíni preto.
Quando os policiais foram embora, Dahmer não se preocupou: voltou às suas “brincadeiras” com Konerak, e o matou.



Corpos de vítimas de Dahmer.
Peritos usam máscaras para se protegerem do mau odor de carne putrida.
Vítimas de Dahmer
Cabeça, genitais e mãos de outra vítima de Dahmer.

Coincidência: matar irmão de vítima anterior.

Dias depois, a mãe de uma dessas duas garotas que viram a cena na rua ligou para a polícia, dizendo que, ao ver notícias sobre um garoto do Laos desaparecido, suas filhas o identificaram como sendo o rapaz nu daquela noite. A polícia, entretanto, não foi atrás de mais informações. O sobrenome do garoto era Sinthasomphone – por coincidência, era irmão daquele outro que Dahmer havia molestado tempos antes.
De maio a julho daquele ano, a média foi de cerca de uma vítima por semana. Até que em julho outro homem escapou, com algemas presas a um punho. Desta vez, a polícia chegou ao apartamento de Dahmer, que abriu a porta calmamente. Disse que iria ao quarto pegar a chave da algema. A vítima disse aos policiais que ele tinha uma faca, no quarto. O policial foi atrás de Dahmer.

Corpos na geladeira.

A casa tinha um cheiro estranho… O que o policial viu, primeiramente, foram fotos de corpos desmembrados. Depois, foi encontrando os próprios corpos das vítimas. Foi dada voz de prisão a Dahmer, que tentou lutar e foi dominado.
Um policial abriu a geladeira e gritou para o outro: “Tem uma porra de uma cabeça aqui!”. No total, haviam restos de 11 vítimas na casa, dissecados e depositados em tonéis e na geladeira. Cabeças, pênis etc. Em seu quarto, cabeças humanas, em um aparente princípio de ritual de satanismo.
Um peixe, bem cuidado, nadava no aquário.
Supõe-se que foram 17 as vítimas de Jeffrey Dahmer, em toda a sua vida.

Fantasias, troféus, canibalismo.

Dahmer contou que suas fantasias de matar homens e fazer sexo com seus cadáveres começaram aos 14 anos.
Disse ainda que ficava “fascinado” com as vísceras dos homens mortos, que a manipulação dos corpos o excitava muito.
Fora as partes que guardava como “troféus”, precisava fazer sumir o resto do corpo. Com ácidos, tentava dissolvê-los, e jogar pelo vaso sanitário.
O canibalismo foi assim explicado: comendo partes das vítimas, elas poderiam ainda viver, incorporadas no seu organismo, que as absorveria. Ao comer, tinha ereções.
Os rituais “satânicos” eram para obter poderes econômicos e sociais.

Mugshot de Dahmer.


O julgamento.

Seu julgamento ocorreu em 1992, e Dahmer ficava em uma cabine à prova de balas. Cães farejadores rastreavam bombas.
Quando começou o julgamento, Dahmer resolveu dizer-se culpado, mas insano. “É difícil, para mim, acreditar que um ser humano possa ter feito o que eu fiz, mas eu sei que fiz.”
A via da insanidade fracassou. O advogado de defesa disse, citando todos os desvios de comportamento de Dahmer, que ele era “um trem nos trilhos da loucura”. A acusação rebateu: “Ele não era o trem, era o maquinista!”. Foi condenado a 15 prisões perpétuas (que, com bom comportamento, poderiam ser transformadas em 957 anos de prisão…).
Dahmer declarou, ao final do julgamento: “Agora está terminado. Em nenhum momento estive aqui para querer permanecer livre. Francamente, eu queria a morte para mim mesmo.”
“Não odiei ninguém. Eu sabia que era doente, ou diabólico, ou ambos. Agora acredito que era doente. Os médicos me explicaram sobre minha doença e agora tenho alguma paz… Eu sei quanto mal eu causei… Graças a Deus não haverá mais nenhum mal que eu possa fazer. Eu acredito que somente o Senhor Jesus Cristo pode me salvar de meus pecados… Não estou pedindo nenhuma consideração.”


A morte de Dahmer.

Jeffrey Dahmer teve um bom comportamento na prisão. Converteu-se ao cristianismo. Em novembro de 1994, um preso psicótico, ironicamente negro, agrediu Dahmer (com uma barra de ferro, em sua cabeça; e um cabo de esfregão foi enfiado em seu olho) e um outro prisioneiro, e os dois faleceram.
Seu pai quis doar seu cérebro para a Medicina. A mãe e o juiz foram contra. Tempos depois, o pai escreveu um livro sobre a história de Dahmer (e foi acusado, por muitos, de oportunismo). Nele, disse: “Havia algo que faltava em Jeff… Chamamos isso de uma ‘consciência’… que morreu ou mesmo que nunca nasceu.”

Rumores.

Muito tem sido dito sobre Jeffrey Dahmer antes e depois da sua morte, mas várias coisas ditas são apenas rumores: 
 1. Jeffrey Dahmer usou uma motosserra para desmembrar suas vítimas?
- Mentira. Jeffrey morava em um apartamento então se usasse uma motosserra teria chamado atenção de seus vizinhos. Dahmer fez o seu desmembramento em sua banheira com uma faca. Motosserra não foi listado a partir da evidência recuperada de seu apartamento.
2. Jeffrey Dahmer foi encontrado morto no banheiro da prisão com uma alça mop saindo de sua cavidade ocular?
- Mentira. Jeffrey ainda estava vivo depois do ataque. Ele morreu a caminho do hospital na parte traseira de uma ambulância. No ataque Christopher Scarver usou um tubo de chumbo para ferir Jeffrey. A lidar com mop nunca foi usado no ataque à vida Jeffrey Dahmer.
3. Jeffrey Dahmer é dito ser o antepassado fundador de canibais anônimos.
Dahmer comeu o bíceps de apenas uma de suas vítimas. Isto dificilmente garante ele ser chamado de canibal muito menos o pai dos canibais anônimos.
4. Jeffrey Dahmer torturava e matava animais?
- Jeffery Dahmer era um amante dos animais. Concordo que ele estava fascinado com os esqueletos, mas devo chamar a linha para as pessoas dizendo que ele mata animais. Houve um incidente quando Jeffrey Dahmer empalou uma cabeça cães em uma vara, Mas quando Dahmer deparou com este animal que tinha sido morto por algum tempo. Há também o incidente quando Dahmer foi junto para um passeio com um amigo de escola. Ele disse que, embora no carro de seu amigo teria deliberadamente desviar para acertar os cães que tinha andado na estrada. Dahmer ficou repugnado por um ato tão cruel e sentiu pena para os animais que foram mortos por seu amigo.
5. Dahmer era insano.
- Jeffrey Dahmer nunca negou seu envolvimento em qualquer dos assassinatos de suas 17 vítimas. Na verdade, ele se dizia ser um dos assassinos em série mais útil que a polícia já tinham encontrado e ajudou-os com a existência de investigação contra ele 100%.
6. Jeffrey Dahmer foi amarrado à mesa de autópsia.
- Embora legista ter sido conhecida a pré-forma é muitas autópsia. Jeffrey Dahmer tinha sido morto há bastante tempo, quando o legista começou a cortar o corpo de Dahmer. Eu duvido que Jeffrey teria vindo de volta dos mortos para fazer qualquer coisa para o médico legista.

Palavras de Dahmer

"Eu acho que de alguma forma eu queria que acabasse, mesmo que isso significasse a minha própria destruição."
"... Para aliviar as mentes dos pais ... Quer dizer, é uma coisa pequena, muito pequena, mas eu não sei o que mais eu poderia fazer. Pelo menos eu posso fazer isso ... porque eu criei este horror e ela só faz sentido que eu faço de tudo para pôr um fim a ele, terminar uma completa a ele. " ... A Confissão
"É apenas um pesadelo, vamos colocar dessa maneira. Tem sido um pesadelo para um longo tempo, mesmo antes de eu ter pego ... por anos agora, obviamente, minha mente foi preenchida com horríveis, terríveis pensamentos e idéias ... um pesadelo."
"Eu não conseguia encontrar qualquer significado em minha vida quando eu estava lá fora. Estou com certeza não vai encontrá-lo aqui. Este é o grand finale de uma vida mal gasta e o resultado final é apenas esmagadoramente deprimente ... é apenas um doente, patética, miserável, a história de vida miserável, isso é tudo o que é. Como ele pode ajudar alguém, eu não tenho nenhuma idéia. "
"Eu nem sei se tenho a capacidade de emoções normais ou não, porque eu não chorei por um longo tempo. Você acabou de sufocá-los por tanto tempo que talvez você perdê-los, pelo menos parcialmente. Eu não sei . "
"Eu não sei por que ela começou. Eu não tenho nenhuma resposta definitiva sobre que eu mesmo. Se eu soubesse a verdade, verdadeiras razões por que tudo isso começou, antes que ele nunca fez, eu não teria, provavelmente, feito de nada . "
"... Como flechas, disparando na minha mente a partir do nada." Fantasias ...
"Naquela noite, em Ohio, que uma noite impulsivo. Nada tem sido normal desde então. Ela contamina toda a sua vida. Depois que isso aconteceu eu pensei que tinha acabado de tentar viver o mais normalmente possível e enterrá-lo, mas coisas como que" don t ficam enterradas. Eu não acho que seria, mas o faz, contamina toda a sua vida. " Hicks ...
"Eu estava na faculdade naquele dia, pensando Hicks. Eu estava bebendo e em uma espécie de humor chorosa, e eu chorei com isso."
"Eu prefiro falar sobre qualquer outra coisa no mundo agora." Hicks ...
"Sim, ela vivia naquela casa há muito tempo." ... "Você ama a sua avó?"
"Por volta das onze horas da noite, quando todos se foi ea loja estava trancada pelo lado de fora, eu saí e despiu o manequim e eu tinha uma capa grande saco de dormir. Eu colocá-lo na medida em que, zipados-lo e levou-a para fora da loja, que foi uma coisa muito perigosa de se fazer. Eu nunca pensei que um deles talvez ter câmeras de segurança ou sendo bloqueado na loja, mas eu saí com ele e levei de volta para casa. acabei ficando um táxi e trouxe de volta e manteve-me com um par de semanas. Eu só passei por várias fantasias sexuais com ela, fingindo que era uma pessoa real, fingindo que eu estava fazendo sexo com ela, masturbar-se e despir-lo. "
"Eu me senti em estado de choque completo. Eu simplesmente não podia acreditar que isso aconteceu novamente depois de todos esses anos, quando eu não tinha feito nada assim ... Eu não sei o que estava acontecendo na minha mente. Eu não tenho nenhuma memória dela. Tentei a draga-lo, mas não tenho memória alguma. " ... Steven Toumi
"Quando eu era criança eu era como qualquer outra pessoa." Em sua infância
"Uma coisa eu sei com certeza. Era uma compulsão definitiva porque eu não conseguia parar. Eu tentei, mas depois de o embaixador, eu não podia desistir. Seria bom se alguém pudesse dar a resposta numa bandeja de prata a por que eu fiz tudo isso eo que causou isso, porque eu não posso chegar a uma resposta. "
"Sou apenas uma pessoa extremamente mal ou é algum tipo de influência satânica, ou o quê? Eu não tenho idéia. Eu não tenho nenhuma idéia. Você? É possível ser influenciado por seres espirituais? Eu sei que soa como uma maneira fácil de desculpa e dizer que eu não poderia me ajudar, mas de tudo o que diz a Bíblia, há forças que têm uma influência directa ou indirecta sobre o comportamento das pessoas. A Bíblia chama de Satanás. Acho que é possível, porque Certamente parece que alguns dos pensamentos não são meus, eles só vêm explodindo na minha cabeça ... Estes pensamentos são muito poderosos, muito destrutivo, e eles não deixam. Eles não são o tipo de pensamentos que você pode apenas apertar sua cabeça e eles se foram. Eles não deixam. "
"Depois do medo e do terror de que eu tinha feito tinha deixado, o que levou cerca de um mês ou dois, eu comecei tudo de novo. A partir de então foi um desejo, uma fome, eu não sei como descrevê-la , uma compulsão, e eu apenas continuei a fazê-lo, fazê-lo e fazê-lo, sempre que a oportunidade se apresentou. "
"Eu sabia que minha avó seria acordar e eu ainda queria que ele ficasse comigo para que eu o estrangulou ... eu trouxe-o até o quarto e fingiu que ainda estava vivo."
"Eu peguei a faca e parte do couro cabeludo e descascados fora a carne sem osso e manteve o crânio eo couro cabeludo ... Se eu pudesse tê-lo mantido mais tempo, tudo dele, eu teria" ... Anthony Sears
"Ele só quer fazer as pessoas se sentem como culpados e péssimo possível. O cara é como uma picada." ... Sua opinião de Geraldo (woohoo!), uma declaração feita antes do Talk Show Geraldo Rivera transmissão sobre crimes de Dahmer.
"Eu decidi que não era nunca vai se casar, porque eu nunca quis passar por algo assim". Em seu casamento dos pais
"Foi bom, com ciclídeos Africano e farpas tigre nele e plantas vivas, era um tanque de peixes bem cuidados, muito limpo ... Eu gostava de apenas sentar lá e vê-los nadar em torno, basicamente. Eu gostava de o planejamento eo set-up, a filtração, ler sobre como manter os nitratos e amónia para níveis seguros e apenas todo o espectro de peixes de manutenção me interessou ... Uma vez eu vi alguns baiacu na loja. É um peixe redondo, e os únicos que eu já vi com os dois olhos na frente, como os olhos de uma pessoa, e eles vêm até a frente do vidro e seus olhos seriam azuis cristalinas, como a de uma pessoa real, bonito ... É um passatempo divertido. I gostei muito que o tanque de peixes. É algo que eu realmente sinto falta. "
"Separei as articulações, as articulações do braço, as articulações das pernas, e teve que fazer duas fervuras. Acho que eu usei quatro caixas de Soilex para cada um, colocados na parte superior do corpo e cozida, por cerca de duas horas e depois a porção inferior por mais duas horas. O Soilex remove toda a carne, o transforma em uma substância gelatinosa, como tipo e ele só lavagens off. Então eu coloquei os ossos limpos em uma solução de água sanitária luz, deixou-os lá por um dia e se espalhou -los em qualquer jornal ou pano e deixe-os secar por cerca de uma semana no quarto. " Ernest Miller ...
"Eu não queria continuar matando as pessoas e não têm nada, exceto o crânio ... Isto vai soar ruim, mas ... devo dizê-lo? ... Eu tomei a broca, enquanto ele estava dormindo ..."
"Sim, eu tenho remorso, mas eu nem tenho certeza se é mesmo tão profundo como deveria ser. Eu sempre me perguntei-me porque não me sinto mais remorso."

 As três seguintes citações assassinatos preocupação que pesava mais fortemente em sua consciência

"Eu desejo que eu não tivesse feito isso." ... Steven Hicks
"Eu não tinha nenhuma intenção de fazê-lo em primeiro lugar." ... Steven Tuomi
"Ele era extremamente carinhoso. Foi bom estar com". ... Jeremias Weinburger

 "Se eu estivesse pensando racionalmente, eu teria parado. Eu não estava pensando racionalmente, pois ele só aumentou e aumentou. Era quase como se eu queria chegar a um ponto onde ele estava fora do meu controle e não houve retorno. Quer dizer, eu era muito cuidadoso durante anos e anos, você sabe. Muito cuidado, muito cuidado com certificando-se que nada incriminador permaneceram, mas estes últimos meses, eles simplesmente enlouqueceu ... Parecia que ele entrou em um frenesi este último mês. Tudo realmente desabou. A coisa toda começou a cair em torno de minha cabeça ... Essa foi a semana passada eu estava indo para estar naquele prédio. eu ia ter que sair e encontrar um lugar para colocar todas as minhas posses. Devo pegar um baú e colocar o que eu queria manter em que, e livrar-se do resto? Ou eu deveria colocar um fim a isso, tentar impedir isso e encontrar uma melhor direção para minha vida? Isso é o que se passava na minha mente que, na semana passada. "
"Algo mais forte do que a minha vontade consciente fez isso acontecer. Eu acho que tem algum poder superior bons e alimentaram-se com a minha atividade e decidiu pôr um fim a ele. Eu realmente não acho que houve qualquer coincidências. A forma como ele terminou e se as chamadas foram perto de alerta para mim ou o quê, eu não sei. Se fossem, eu com certeza não prestou atenção deles ... Se eu não tivesse sido preso ou perdi meu emprego, eu ainda estaria fazendo isso, eu estou completamente certo disso. Fui em fazê-lo e fazê-lo e fazê-lo, apesar da minha ansiedade e da falta de satisfação duradoura ... Como arrogante e estúpido da minha parte pensar que eu poderia fazer algo assim e ir apenas sobre a minha vida normalmente como se nada tivesse acontecido. Dizem que você colhe o que planta, bem, é verdade, você faz, eventualmente ... Eu sempre me perguntei, a partir do momento que eu cometi que primeiro erro horrível pecado, com Hicks, se esta era uma espécie de predestinado e não havia nenhuma maneira que eu poderia ter mudado isso. Gostaria de saber o quanto a predestinação controla a vida de uma pessoa e apenas quanto controle que têm sobre si mesmos. "
"Eu estava completamente varrido juntamente com a minha própria compulsão. Eu não sei de que outra forma de colocá-lo. Ele não me satisfazia completamente, então talvez eu estava pensando outra vontade. Talvez esta vontade, e os números começaram a crescer e crescer e ficou fora de controle, como você pode ver. "
"É como um grande pedaço de mim foi arrancado e eu não estou muito inteiro. Eu não acho que estou mais dramatizar isso, e eu sou certamente merecedores dela, mas o que eu sinto agora, é assim como você está falando com alguém que está terminalmente doente e enfrentando a morte. A morte seria preferível que eu estou enfrentando. Eu me sinto como implodir sobre mim, sabe? Eu só quero ir a algum lugar e desaparecer. "
"Quando você tiver feito os tipos de coisas que eu fiz, é mais fácil para não refletir sobre si mesmo. Quando eu começar a pensar em como ela está afetando o amilies f do povo, e minha família e tudo, não me faça nenhum bem. Ele só me deixa muito chateado. "
"... Se eu fosse morto na prisão. Isso seria uma bênção agora."
"Eu deveria ter ido para a faculdade e passou no mercado imobiliário e tem-me um aquário, que é o que eu deveria ter feito."
"Eu ainda tenho culpa. Eu provavelmente nunca irá se livrar disso, mas sim, eu sou livre da compulsão ea condução precisa fazer isso ... Eu não acho que eu sou capaz de criar qualquer coisa. Acho que a única coisa que eu sou capaz de destruir é ... Eu estou doente e cansado de ser destrutivo. O que vale é a vida se você não puder ser útil a alguém? "
"Este é o grand finale de uma vida mal gasto eo resultado final é apenas esmagadoramente deprimente ..... um doente patética, a história de vida miserável, que é tudo o que é"  Sobre sua vida

Curiosidades.

Filmes baseados em sua história

Houve muitos livros sobre Dahmer. Mas a exploração ... quero dizer, a inspiração não pára por aí. Esta seção irá apresentá-lo a Jeffrey Dahmer nas Artes!

"A história ficcionada do assassino mais divulgado e notório de série na história, este filme retrata" The Secret Life ", um período que se estende por mais de 14 anos de seus ataques e assassinatos.
Ao contrário de outros assassinos em massa, Jeffrey Dahmer parecia ficar sem grande emoção a partir do ato de matar. É o que ele fez depois que eles foram mortos que o distinguem -. Rotulando-o assassino canibal mais perversa do nosso tempo "
A biografia não autorizada de Jeffrey Dahmer
O Comics

“Dahmer – mente assassina”
Sinopse: o filme conta a história do serial killer Jeffrey Dahmer de uma forma não-linear, entremeando fatos da adolescência com cenas de alguns assassinatos.
“O perfil de um assassino”
Sinopse: história focada no pai e na madrasta do serial killer Jeffrey Dahmer, mostrando a culpa que seu progenitor, Lionel Dahmer, sentiu nos primeiros dias após a descoberta de que seu filho era um assassino em série. Através de flashbacks, mostra a infância e a adolescência de Dahmer: violência contra animais, exageros com o álcool, uma prisão por atentado ao pudor contra um menor etc.


Dahmer na música: 


Já foi inspiração de vários artistas, como as bandas de thrash metal Slayer e Soulfly fizeram músicas sobre a história de Dahmer: "213" do Slayer, e "Jeffrey Dahmer" do Soulfly. Seu nome é citado na música "Cannibal" da cantora americana Ke$ha.

Fontes:


3 comentários:

  1. Mto bom o blog, parabéns! estava a procura de imagens e mais informações e aqui eu encontrei tudo!

    ResponderExcluir
  2. Amei! Mas poderia me dizer onde posso comprar ou baixar algum livro dele? Estou procurando a quase uma semana e não acho nada na internet :(

    ResponderExcluir