12 de jan de 2012

10 casos de serial killers sem solução.



Inteligência, sorte ou descaso da polícia? O que faz um caso de homicídios em série ficar sem solução? Tempos diferentes, assassinos diferentes, vítimas diferentes... em comum, nenhuma solução. O crime em si já choca, quando um assassino que comete vários crimes não é punido a indignação, pavor e até admiração popular é redobrado. Eis uma lista com dez casos icônicos de serial killers "bem-sucedidos":



10. Assassino do Colonial Parkway.
(Colonial Parkway Killer)


Vítimas do assassino do Colonial


Ele atacou pela primeira vez em outubro de 1986: Duas mulheres foram mortas e os cadáveres foram deixados no interior de um veículo, pertencente a uma delas. Elas foram amarradas, estranguladas e degoladas. Em pouco menos de um ano, em setembro de 87, o assassino voltou a matar. Dessa vez as vítimas foram dois jovens: David Knoblig, 20, e Robin M Edwards, 14. Eles foram encontrados depois de serem mortos no Abrigo Ragged Island. Sete meses depois, outros assassinatos: Cassandra Lee Hailey, 18, e Richard Keith. Seus corpos não foram encontrados, somente suas roupas, que estavam no interior do veículo de Richard. Em 5 de setembro de 89, Anna Marie Phelps, 18, e Daniel Lauer, 21 também foram vítimas do assassino, seus restos mortais foram encontrados próximo a uma rodovia, um mês depois do desaparecimento do casal. Os crimes ocorreram no Colonial Parkway, Virginia, Estados Unidos. A policia não tem idéia de quem seria o assassino, mas muitos acreditam que ele seja um policial.




9. O Esfaqueador de Frankford.
(The Slasher of Frankford.) 


Retratos falados do esfaqueador.


O assassino desconhecido atacou sexualmente e matou pelo menos sete mulheres entra agosto de 1985 e setembro de 1990. A primeira vítima foi Helen Patent de 52 anos de idade. Seu corpo foi encontrado uma semana após seu assassinato, ela estava com a blusa erguida, nua da cintura pra baixo, e levou mais de 45 facadas. A próxima vítima foi Anna Carroll, 68, encontrada nas mesmas circunstâncias que Patent. Uma faca de cozinha ainda estava cravada em seu corpo. O esfaqueador atacou novamente no natal de 1986, a vítima foi Suzan Olszef, de 67 anos. Ela foi morta em sua própria casa. Em janeiro de 1987, Jeanne Durkin, moradora de rua, foi esfaqueada mais de 70 vezes. Seu corpo foi deixado sob um caminhão, embalado em um sobretudo. As próximas vítimas foram Margareth Vaughan de 66 anos, encontrada esfaqueada; Theresa Sciortino, 30, ela estava nua, só de meias e havia sido esfaqueada. Em abriu de 1990, Carol Dowd, 46 e histórico de doença mental foi encontrada esfaqueada na avenida Frankeford, ela estava sem o mamilo. Leonard Christopher foi preso acusado do assassinato de Carol. Muitos acreditaram que ele seria o esfaqueador de Frankford, mas testemunhas oculares afirmaram que o esfaqueador era caucasiano e Leonard é negro. O caso continua sem solução há mais de 20 anos.


8. O estripador de Lisboa.


Entrecampos em Lisboa.


De 1991 há 1992 pelo menos três prostitutas foram brutalmente assassinadas em Lisboa, Portugal. Elas tinham em comum os cabelos pretos e o nome: Maria. Maria "Tina" Valentina, 22, foi a primeira dela. Ela foi encontrada morta em 22 de julho de 1992. Ela havia sido estrangulada e teve seus orgão internos removidos. Maria Fernanda, 24, também foi atacada pelo assassino. Seu corpo foi encontrado dentro de um galpão em Entrecampos e ela também havia sido estrangulada e teve seus orgão internos removidos. Em 15 de março de 1993, o corpo de Maria João, 27, foi encontrado. Ela teve quase todos os seus órgãos removidos. É provável que as eviscerações tenham sido realizadas enquanto as vítimas estavam vivas. Em dezembro de 2011, um desempregado de nome José Guedes confessou ser o estripador, mas os crimes já prescreveram.




7. Assassino do alfabeto.
(The alphabet killer) 


As três vítimas do assassino do alfabeto.


Um infanticida com uma assinatura bem diferente: Matava somente meninas cuja a primeira letra do nome era a mesma que a primeira do sobrenome, daí a alcunha de assassino do alfabeto, fez três vítimas entre 1971 e 1973. A primeira vítima foi Carmen Colon, que teve seu corpo abandonado em Churchvile, New York. Em 2 de abriu de1973, Wanda Walkowicz desapareceu em Rochester. Seu corpo foi encontrado em Webster, há 11 quilômetros de sua casa. E, 26 de novembro de 1973, Michelle Maenza, 10, desapareceu. Seus restos mortais foram encontrados dias depois em Macedon. Outra caracteristicas dos assassinatos: As vítimas eram abandonadas em locais cuja a primeira letra era igual a primeira letra de seus respectivos nomes: Colon em Churchville, Walkowicz em Webster e Maenza em Macedon. Os crimes cessaram misteriosamente.




6.Bible John.


Retrato falado de Bible John.


Durante 20 meses, em Glasgow, na Escócia, um E.D. apelidado de Bible John, pelo gosto em citar passagens bíblicas, assassinou pelo menos 3 mulheres, que tinham em comum o gosto por dança. Patricia Docker, de 25 anos foi morta estrangulada. Ela havia saído de um clube, o Carmichael Lane, e a polícia acreditava que ela havia recusado uma proposta de sexo, por isso foi morta em fevereiro de 1968. Em 16 de agosto de 1969 Jermina McDonald também foi encontrada morta próximo ao local onde morava. Os policiais souberam que ela havia saído do clube Barrowlands Ballroom na companhia de um homem de aproximadamente 30 anos. Em 30 de outubro de 1969, Helen Puttock, 29, conheceu um rapaz que se apresentou como John, na Barrowlands BallroomIrvine McInnes, e comparou com evidências encontradas nos corpos, as provas porém foram inconclusivas e os crimes permanecem sem solução.




5. Jack, o stripper.
(Jack, the Stripper) 


Inspetor da Scotland Yard, com o retrato falado de Jack, o Stripper.


Não, esse não é aquele assassino londrino que arrancou as tripas de 5 prostitutas em 1888! Apesar de seu caso apresentar algumas semelhanças, como o perfil das vítimas (em sua maioria prostitutas) e o fato de o caso também ter ocorrido em Londres. Jack, o Stripper assassinou seis prostitutas entre 1964 e 1965. Todas elas tiveram suas roupas retiradas, daí o apelido desse E.D.. A primeira vítima foi Hannah Tailford, 30, seu corpo nu e amordaçado com sua própia calcinha foi encontrado sobre uma viga de uma ponte. Irene Lockwood também foi vítima e seu corpo foi encontrado e, 8 de abriu de 1964. Ela havia participado de filmes pornográficos. As duas estavam grávidas. Em 24 de abriu de 1964, o corpo de Helene Barthelemey, 24, foi encontrado. Havia esperma em sua garganta e 4 dentes frontais seus haviam sido quebrados. As próximas vítimas foram Mary Fleming, 30. Ela estava nua e havia esperma em sua boca. Foi morta em julho de 1964. Margareth McGowan, 21, foi encontrada morta nua em um carro estacionado perto de High Street, quatro meses depois. A ultima vítima foi Bridie O'Hara, 27 anos. Seu corpo estava nu e foi abandonado em um buraco no Westpoint Trading, sendo encontrado em 16 de fevereiro de 1965.


4. Maníaco do machado de New Orleans.
(The Axeman of New Orleans)


Mapa dos crimes do maníaco do machado.


Entre 1918 e 1919, os habitantes da pobre e violenta New Orleans, E.U.A., estavam apavorados com um E.D. que atacava com um machado. As primeiras vítimas foram o casal Maggio, atacados enquanto dormiam em sua casa. Eles tiveram as gargantas cortadas e foram golpeados com um machado. Em junho de 1918, um marceneiro e sua namorada foram atacados: Louis Besumer e Harriet Low sobreviveram. Low acusou Besumer de ataca-la antes de morrer em 5 de agosto, ele foi preso. O maníaco fez mais uma vítimas, o barbeiro Joseph Romano. Em 10 de março, Charles Cortimiglia foi atacado pelo maníaco enquanto dormia. Rose, esposa de Cortimiglia gritou, e o maníaco golpeou-a e matou a filha de dois anos do casal. Em 10 de agosto, Steve Boca também foi atacado pelo maníaco. Em 2 de setembro, o farmaceutico William Carlson viu um indivíduo entrando pela porta e atirou contra ele. Sarah Laumann, 19, foi atacada, mas não morreu. A última vítima foi Mike Pepitone, que sofreu 18 golpes na cabeça. Em 2 de dezembro, Joseph Mumfre foi morto pela viúva de Pepitone. Ela afirmou que Mumfre era o maníaco, mas não existe provas e o caso permanece sem solução.

3. Assassino do torso em Cleveland.
(The Cleveland torso murderer)


Vítima do assassino do torso


O E.D. agiu entre 1935 e 1938 em Cleveland, Pittsburg. Ele fez pelo menos doze pessoas. Em 23 de setembro de 1935, um corpo de um homem não identificado foi encontrado em Jackass Hill, por dois meninos, um segundo corpo foi encontrado no mesmo dia, há 9 metros do corpo não identificado. O corpo era de Edward Andrassy. Em 26 de janeiro de 1936, Florence Polillo foi encontrada morta. Em 5 de junho, um homem com inúmeras tatuagens foi encontrado morto, apesar de todas as marcas, ele nunca foi identificado. Em 22 de julho, outro homem, não identificado, foi encontrado em Big Creek, Brooklyn,  a leste de Cleveland. Em 10 de setembro, outro homem foi encontrado nas mesmas circunstancias. Em 23 de fevereiro, uma mulher não identificada foi encontrada às margens de um lago, sendo apelidada de "dama do lago". Uma outra mulher foi encontrada morta em 6 de junho de 1937. Outro corpo masculino foi encontrado no rio Cuyahoga, em Claveland Flats, e em 8 de abriu, uma mulher morta foi encontrada no mesmo local. Em 16 de agosto, dois corpos, um homem e uma mulher, foram encpntrados na East 9th Street, às margens de um rio. Todos os corpos estavam sem cabeça. Apesar dos esforços da polícia, ninguém foi acusado dos crimes.




2. Zodíaco.
(Zodiac killer)
Desenho de como seria o Zodíaco, com sua roupa "especial".




O zodíaco era um tanto exibicionista. Muitos acreditam que ele tinha necessidade de aparecer. O principal suspeito não foi acusado, apesar de muitas evidências e depoimentos que o ligavam ao caso. Em 7 de agosto de 1969, David Faraday, 17, e Betty Lou Jensen, 16, foram mortos a tiros na Herman Road, Califórnia. Em 4 de julho, Michael Renault e Darlene Sebeth foram atacados à tiros em um estacionamento. Ela morreu mas Michael sobreviveu. Um homem fez uma ligação à polícia, gabando-se do crime. Em 27 de setembro, Bryan Calvrn e Cecilia Shepard foram esfaqueados. Bryan sobreviveu, mas Cecília não resistiu. Bryan disse à policia que o assasino usava uma roupa estranha com um símbolo do zodíaco. Em 11 de outubro, Paul Stine, taxista, foi morto a tiros pelo zodíaco. O E.D. quase foi capturado, pois três jovens presenciaram o crime. O zodíaco afirmava ter cometido 37 crimes, mas a policia acredita que ele tenha cometido apenas 7. O caso continua aberto.




Carta escrita pelo zodiáco

1. Jack, o estripador.
(Jack, the Ripper) 




As vítimas de Jack, o estripador.


E finalmente, o E.D., e talvez o serial killer, mais conhecido do mundo. Talvez muito do que se sabe sobre Jack, the Ripper, foi inventado pela mídia e moldado por histórias fantasiosas. Por exemplo: especialistas afirmam que Jack (que na verdade nem se auto apelidava assim) não era inteligente como se acredita, pelo contrário, ele era insano, de comportamento misto e, se não foi apanhado, foi por pura sorte. Outra crença errónea, é a de que ele tinha experiência em medicina; as lacerações causadas por ele poderiam facilmente terem sido causadas por um açougueiro ou nem isso. A primeira vítima foi Polly Nichols, prostituta. Ela foi morta e eviscerada na madrugada de 31 de agosto de 1888. Oito dia depois, Annie Chapman foi encontrada morta e eviscerada. Ela teve a garganta cortada com força. Duas vítimas foram feitas em 30 de setembro, Elizabeth Stride e Catherine Eddowes. Eddowes teve o rosto desfigurado, foi estripada e teve seu rim esquerdo retirado. Três cartas do suposto assassino foram enviadas, duas das quais possivelmente falsas e uma, cujo o remetente atendia por "do inferno" que muitos acreditam ser verdadeira. O último ataque foi conta Mary Kelly, cujo o corpo foi mais castigado do que as outras. Ela ficou irreconhecivel. Jack, o estripador é suspeito de assassinar outras 15 prostitutas.


Nota: E.D. = Elemento desconhecido.

2 comentários: