19 de out de 2012

Noticia: Desaparecimento de Jessica Ridgeway.


Jessica Ridgeway: Desaparecida.

Manhã de sexta-feira, dia 5 de outubro de 2012, Jessica Christine Ridgeway, 10 anos de idade, loira, de olhos azuis, 1,47 de altura e 36 quilos se despediu da mãe para ir até sua escola, a Witt Elementary School (WES), em Westminster, Colorado. Ela nunca mais seria vista com vida novamente.


Jessica acordou às 7:45, quando o deu alarme disparou. Ela estava se preparando para sua rotina. Ligou a TV e comeu uma barrinha de cereal, enquanto se preparava para a escola. Jessica e sua mãe descascaram laranjas e prepararam o lanche escolar. Jessica gostava da escola, principalmente as aulas de matemática e educação física.

Naquela manhã, Jessica havia ligado para um menino da vizinhança, Jeremy,  com o qual sempre ia ao colégio, às 8:25 da manhã . Os dois desciam a Moore Street, onde Jessica morava no bloco 10700, Unidade 104 W, seguindo para Witt Elementary School todos os dias. E nesse dia Jessica perguntou se o menino poderia acompanhá-la, como de costume. Parecia que nada mudaria na sua rotina

A mãe de Jessica, Sarah Ridgeway, que trabalha à noite, viu a filha sair de casa às 8:30 da manhã. O colégio não era longe e a menina não chegaria atrasada. Jessica vestia uma jaqueta preta e rosa, calça jeans, seus óculos de grau e botas roxas (sua cor favorita). Na mochila da garota havia a palavra "Victorious" (Um sitcom infantil exibido pelo canal Nickelodeon) escrito na parte de trás. Durante o ano de 2011, Jessica ia para a escola de ônibus, porem, como o distrito escolar impôs uma taxa, a Sarah decidiu que seria melhor para a menina ir para a escola a pé.

Jeremy esperou o máximo que pôde pela menina, porém ela não apareceu conforme o combinado.Com medo de chegar atrasado na escola, ele decidiu ir andando na frente, de carona com seu pai. Jessica e Jeremy costumavam se encontrar com outros colegas no caminho para a escola.

Às 8:40, dez minutos antes do sinal da escola tocar, Jessica ainda não havia aparecido na escola, o que era estranho, pois ela não costumava se atrasar. A mãe de Jessica foi tirar um cochilo, como sempre fazia após a filha deixar a casa, e não atendeu ao telefonema feito da escola de Jessica, comunicando que a menina não havia comparecido à aula. Ela sempre deixava seu telefone celular na sala, no térreo, para não ser incomodada. Sarah só saberia do sumiço da filha oito horas depois, já no fim da tarde, quando checou os recados deixados na caixa de chamadas do celular. Preocupada, ela começou a procurar pela casa de vizinhos, amigos e parentes e também por campos de jogos, onde a menina costumava ir. Tendo não encontrado Jessica, ela telefonou para a policia. Eram cerca de 4:30 da tarde.


Jessica Christine Ridgeway, 10 anos, desapareceu enquanto ia para a escola.
A policia atendeu ao chamado e foi rapidamente para o colégio onde a menina estudava. Eles encontraram o menino que ia para a escola com Jessica, que afirmou aos policiais que Jessica o havia acompanhado e entrado no prédio, depois de um tempo, o garoto percebeu que havia se enganado de dia, pois nesse dia ele havia ido para a escola sozinho.

Os policiais ouviram o professor de Jessica, o auxiliar do professor, sua melhor amiga, a avó e tia de Jessica. Eles conversaram com vizinhos e procuraram de forma intensa o pai da garota, que morava no Missouri. Finalmente a policia descobriu que o pai da garota havia trabalhado o dia todo.

As buscas continuaram por lojas onde a menina geralmente ia e em parques onde Jessica gostava de subir em árvores ou se esconder, mas nem sinal da menina. Os policiais procuraram até em bueiros. A unidade de cães farejadores, K-9, não estava disponível e os policiais tiveram que pedir ajuda à Adams County.

Jessica havia desaparecido de forma misteriosa. Teria ela se desviado do caminho da escola, ou seu desaparecimento foi obra de algum seqüestrador. Todos estavam mantendo as esperanças e aguardando pelo seu retorno, ou alguma informação.

Não havia suspeitos. O pai da garota, Jeremiah Bryant, que é separado de Sarah, havia comparecido a uma audiência judicial para a custódia da garota em um Tribunal no Missouri, mas a policia descartou qualquer ligação entre a disputa pela guarda da garota e seu desaparecimento.

Jeremiah Bryant mora com sua mãe, Dana Moss, em Independence, Missouri. Moss consentiu que buscas em sua casa fossem feitas, pois queria ajudar nas investigações: “Nós faríamos qualquer coisa no mundo para trazê-la de volta... Viva e em segurança”.

No sábado, dia 6, um mutirão de mais de 800 voluntários procuraram pela menina nas redondezas de Westminster. Eles percorreram campos enlameados e campos abertos. A temperatura era baixa, mas nem o frio os impediram de vistoriar cada canto de Westminster, na tentativa de encontrar a menina.


Mochila é encontrada.

A primeira possível pista que pudesse levar à menina Jessica surgiu por volta da meia- noite de sábado pra domingo, dia 6 de outubro. Um morador de Superior, no Colorado (Que não quis se identificar para não atrapalhar o curso das investigações) voltava para casa com a sua mulher, quando viu uma mochila infantil jogada na calçada próximo a sua casa, ao longo da Andrews Drive, próximo ao Alpha Court, oeste de Superior.

Ele viu que a mochila não pertencia a nenhum conhecido e decidiu não dar tanta importância ao fato no momento. Era comum algumas crianças esquecerem bicicletas e brinquedos largados pelas ruas do bairro. “Ela estava largada lá, como nós observamos, mas não fora do lugar o suficiente para criar alarde sobre isso”.

O morador e sua esposa não se lembraram de ter visto a mochila largada na calçada no inicio da noite, às 18,45 de sábado. Na manhã seguinte, o morador saiu pela manhã e viu que o objeto continuava lá. A mochila parecia ter sido colocada cuidadosamente de pé, na calçada, e não jogada a esmo. O morador decidiu verificar o objeto. Havia um chaveiro com o nome Jessica no zíper. Dentro da mochila, havia uma garrafa de água com o nome Jessica Ridgeway. Nem o morador nem seu vizinho reconheceram o nome. O vizinho decidiu enviar uma mensagem eletrônica para o Listserv da cidade: “Mochila infantil encontrada”, dizia a mensagem “ Encontrada em uma calçada, ao longo da Andrew Way, próximo ao Alpha Court. Há uma garrafa de água com o nome ‘Jessica Ridgeway’ nela. Alguém venha buscar...”


Nessa calçada, a mochila de Jessica foi encontrada.

Alguém recebeu o e-mail e percebeu a importância que o objeto poderia ter. Respondendo o e-mail, o interlocutor alertou ao morador sobre a importância que a mochila teria no caso de desaparecimento da menina Jessica Ridgeway. O morador ligou para o 911 imediatamente e informou a descoberta da mochila. Agora, a investigação se estendia para o bairro de Rock Creek, Superior, à cerca de 6,4 km de distância de onde a menina foi vista pela última vez.

Vários policiais de diversos departamentos e agentes do FBI se dirigiram para Rock Creek. Agora as delegações de Superior e Westminster estavam no caso.

O homem que encontrou a mochila disse que acreditava que a descoberta poderia trazer luz à investigação: “Estou pensando no que a família da garota está sentindo”, completou.
"Volte para casa, Jessica": O desaparecimento de Jessica Ridgeway parou os Estados Unidos.


Investigação em Superior.

No domingo, dia 7, os policiais correram para investigar a área onde a mochila da garota foi encontrada. A região pacata foi tomada por carros de policia. Os policiais ouviram moradores, fecharam várias ruas e inspecionaram metro por metro.

O porta-voz da polícia de Westminster, Trevor Materasso, afirmou que a descoberta da mochila da menina foi importante: “Obviamente, isso nos dar um ponto para se investigar.” Em uma coletiva de imprensa sobre o caso, Materasso citou a descoberta da mochila, entretanto, se recusou a dar mais detalhes sobre o achado.


Policiais param moradores. O "transtorno" causado tinha uma causa nobre.

A policia começou a interrogar moradores da redondeza, com o objetivo de tentar descobrir a quanto tempo a mochila estava ali. Foi recomendado aos pais que perguntasse aos seus filhos se eles haviam presenciado algum movimento estranho pela redondeza. Shannon Knobel, morador de Superior criou uma página no Facebook “Superior / Rock Creek Residents to help find Jessica Ridgeway” (Residêntes de Superior/ Rock Creek no auxílio para encontrar Jessica Ridgeway) com a finalidade de atrair voluntários para as buscas.


Trevor Materasso, porta-voz da policia de Westminster.

Um cão farejador, trazido do condado de Jefferson, foi levado até a calçada na Andrews Way, onde a mochila havia sido encontrada. Ele farejou toda a região adjacente. Policiais pararam carros e abriam os porta-malas. O bairro estava fechado, somente moradores podiam entrar. A policia não media esforços para localizar a menina. Materasso afirmou: “...Isso nos obrigou a criar alguns inconvenientes aos moradores de Rock Creek...”

Christine Wiedinmyer, residente do bairro, afirmou ter visto a mochila às 8:15 da manhã de domingo. Ela não deu muita atenção ao fato, pois estava acostumada a ver crianças deixando seus pertences largados pelo bairro. Christine afirmou que seu marido foi entrevistado pelo FBI, pois ele também havia visto o objeto. “É horrível! Eu quero ir para minha casa, minhas filhas estão preocupadas...” Disse Christine enquanto esperava autorização para entrar no bairro.

Aldo Gurmendi foi outro morador parado por policiais enquanto entrava em Rock Creek com sua família. “Eu tenho três filhas, então eu também estou em pânico.” Disse Aldo em uma entrevista.
Buscas nos campos: Policiais realizam uma investigação por campos abertos e áreas arborizadas, próximas à auto-estradas, na manhã de segunda-feira. Até mesmo os boeiros foram verificados.

Norm Zrubeck, residente de Spanish Hill, Boulder, foi parada pela polícia e impedida de entrar em Rock Creek, enquanto se dirigia com o filho para o Broncos game. “Eles me disseram ‘Não, você não pode ir ao bairro por causa da investigação. Eu espero que eles consigam pegar quem fez isso, ou pelo menos encontrara a menina de volta.”

Após horas de investigação, as ruas do bairro foram reabertas.

Segunda feira, dia 8, as equipes policiais continuaram a investigação em Superior. As buscas se estenderam aos arredores ao Oeste da cidade. As equipes procuraram por áreas verdes e campos abertos que rodeiam o leste da U.S. 36, o oeste da Colorado 93 e pelo sul da Colorado 128, bem como o Canyon Eldorado.

“Essas são áreas abertas que desejamos pesquisar em especial e nas quais queremos focar”, disse Materasso. O porta-voz disse também que mais de 100 pessoas estavam auxiliando nas buscas pelos campos abertos. Também havia policiais tanto de Westminster, onde a menina morava e onde foi vista pela última vez, quanto de Superior, onde a mochila foi encontrada.
Uma das equipes de investigação


A equipe da CBI (Colorado Bureau of Investigation) realizou exames de DNA com amostras colhidas na mochila da menina e com amostras colhidas de parentes. A avó materna de Jéssica, Christine Ridgeway, mostrou certo temor. Para ela, quando amostras de DNA são testadas, significa que algo não muito bom está para acontecer. Os membros da família falaram sobre uma declaração, que seria feita pela mãe da garota, mais tarde.

“Estamos fazendo uma reunião familiar... Não queremos deixar Sarah decidir tudo sozinha” Disse Christine Ridgeway.

Cão farejador, cavalos e mini helicópteros.

Equipes de busca se reuniram próximo a Trailhead Coalton, em Superior. Uma dupla da equipe de salvamento com um cão farejador abriu um saco e mandou o cão farejar o que parecia ser um pedaço de roupa. “Vá encontrar Jessica” disse um dos investigadores.

Policiais a cavalo também percorreram os espaços abertos. Um helicóptero em miniatura, de controle remoto e equipado com uma câmera circulou brevemente a área. O xerife de Boulder County, John Pelle, conduziu equipes de busca pelo McCaslin Boulevard e a Colorado 128. Mergulhadores fizeram buscas em lagos da região. Todo esforço era bem vindo para achar a garota

Materasso afirmou que a policia não necessitava de mais voluntários nas buscas, mas se alguém quisesse ajudar, poderia distribuir folhetos com a foto e informações da menina desaparecida. Os folhetos haviam passado por um processo de atualização, e traziam mais fotos da menina. Foi levantada a hipótese da menina ter mudado de roupa e estar sem os óculos, “Pedimos as pessoas para que não se concentrem nas roupas. Se concentrem sim nas feições da menina. Se virem um panfleto com a foto de Jessica, dêem uma boa olhada nele” Disse Materasso.A policia liberou fotos da garota, tanto com óculos quanto sem óculos para facilitar sua identificação. As pessoas foram alertadas aos pequenos sinais da garota, como os dentes da frente um pouco separados e uma pequena fenda no nariz. Um vídeo com detalhes sobre as características físicas da garota foi postado na internet.


Cartaz de procura-se, com fotografias de Jessica Ridgeway.

Sami Carroll, uma residente do Trailhead Coalton, Superior, imprimiu 100 cartazes com a foto da garota para ajudar nas buscas. “Eu tinha que fazer alguma coisa. Eu estava muito triste quando soube da menina desaparecida a 6 quilômetros daqui. Mas agora chegou aqui e está aqui perto”, disse Sami.

Light Up the Night.

Ainda no dia 8, um pastor evangélico, Chris Cote, organizou o “Light Up the Night” (Iluminar a noite), um encontro de orações realizado com os moradores de Westminster e Superior, para se rezar pela volta da garota.

O “Light Up the Night” foi marcado para ser realizado no dia seguinte, às 7:00 da noite, terça-feira, dia 9. Pessoas se reuniam na Community Park em Superior, no Indiana Street e Avenida Coalton, e em Kensington Park, em Westminster, no Countryside Drive e Moore Street. As autoridades de ambos os distritos deram autorização para o evento. “Nós estamos pedindo para cada participante levar uma lanterna para apontar para o céu. Essas duas comunidades farão de tudo para encontrar a menina”, disse Cote. O uso de velas não era recomendável. Foi informado que as pessoas, se pudessem, deveriam usar roupas ou fitas roxas, cor favorita de Jessica.

Até o momento, ninguém havia entrado em contato com a família exigindo pagamento pela vida da garota.

Dia nove de outubro.

As buscas entraram no seu quinto dia e parecia que as pesquisas haviam dado uma guinada. As 12 equipes, formadas por mais de meia dúzia de agentes locais, agentes do FBI e do ICE (Immigration and Customs Enforcement) estavam espalhadas pelo local. O departamento de Policia de Westminster postou um vídeo em sua página na rede social Facebook, sobre a menina Ridgeway, na tentativa de se obter alguma ajuda. O desaparecimento de Jessica Ridgeway ganhava as páginas dos jornais de todos os Estados Unidos.

As equipes haviam trabalhado durante toda a noite, buscando em campos, bairros e lagoas qualquer sinal da garota. Pela manhã, Materasso falou novamente à imprensa: “Hoje as buscas serão feitas em torno da casa da garota e em campos abertos que não foram investigados por completo ontem. Outra conferencia foi realizada no mesmo dia, pela tarde. Segundo Materasso, mais da metade das 400 famílias que vivem perto da casa dos Ridgeway foram entrevistados.


Materasso em umas das entrevistas sobre o desaparecimento de Jessica Ridgeway.

“Eles podem não estar cientes de que perceberam algo, e que essas informações beneficiam a investigação” Declarou Materasso. Segundo ele, a equipe de investigação encontrou alguns itens que poderiam estar ligados ao desaparecimento da menina, mas nada de conclusivo foi achado. Quando perguntado sobre as possibilidades de acharam a garota viva, Materasso disse que os investigadores acreditavam em sequestro, mas não se tinha elaborado chances da menina estar viva. “Na medida em que descobrimos coisas sobre o caso de Jessica, somos levados a acreditar na versão do sequestro e não da fuga”. Quando perguntado se algum parente da menina passaria pelo teste do polígrafo (detector de mentiras) Materasso afirmou que isso não faria parte da investigação. Ele realçou a importância de que, ao menor sinal da garota, a policia deveria ser alertada. Foi disponibilizado um número especialmente para o caso.
Equipe de investigação faz buscas na mata fechada.

A mãe da garota arrumou o quarto da filha, colocando flores na cama e organizando seus bichos de pelúcia. “Tudo está arrumado do jeito que ela gosta”, disse Sarah Ridgeway, durante uma entrevista para redes de televisão, realizada no Departamento de Policia de Westminster. “Nós queremos que ela volte a dormir como antigamente. De forma agradável, acolhedora e segura onde deveria está”. Jeremiah Bryant demonstrou somente um desejo: “Eu só quero encontrar a minha filha e trazê-la de volta para casa", disse.

As equipes corriam contra o tempo, na tentativa de localizar a menina.

James e Sarah, cercados por 8 amigos e parentes, falaram sobre o desaparecimento e sobre a dor que estavam sentindo: “Se houvesse uma corda, todos nós estaríamos amarrados”, disse Sarah. A mãe da garota contou detalhes do dia do desaparecimento de Jessica: “... Essa foi a última vez que eu a vi. Eu preciso vê-la entrar por aquela porta”

“Estou tentando pensar positivo sobre isso, mas é difícil, muito difícil”, disse James.

“Eu me sinto um raio de esperança com a descoberta. Se alguma coisa de ruim tivesse acontecido com ela, acho que não teria se livrado da mochila.” Disse Sarah Ridgeway, sobre a descoberta feita em Superior.

A mãe de Jéssica falou sobre mais características da filha. Segundo ela, Jessica era uma menina alegre e brincalhona. Amava os animais e gostava de brincar de fazer “performances” na frente da família, para ser aplaudida. Outra brincadeira da menina era fingir que era garçonete, servindo clientes imaginários ou os parentes que estivessem dispostos a brincar. Jessica contava piadas e era risonha.
Jessica Ridgeway, descrita como uma menina alegre e amante dos animais.

“Nós sabemos o quão assustada ela deve está” disse Gay Moore, tia avó de Jessica, “Estamos tão aterrorizados.”

Os investigadores do Caso Jessica não falaram um possível ligação entre o desaparecimento da menina e incidentes suspeitos ocorridos em Jefferson County. Em setembro, a policia de Arvada de um alerta de que dois homens estariam atraindo crianças para seus veículos, oferecendo doces. Uma séria de sequestros frustrados em Arvada fez com que a policia espalhasse um retrato falado dos suspeitos.




Os retratos falados dos suspeitos de tentativas de sequestro, em Arvada.

O caso Wyoming.

Ainda no dia nove de outubro, foi levantada a hipótese de o desaparecimento de Jessica ter ligação com outro desaparecimento, o rapto de uma menina de 11 anos de idade em Cody, Wyoming. O porta-voz do FBI, Dave Joly disse que nenhuma hipótese era descartada até o momento e que ambas as investigações continuavam.


Dave Joly.

A menina de 11 anos estava na companhia de amigos, quando foi abordada por um homem em um utilitário branco, na manhã de segunda-feira, dia 8 de outubro. O sujeito teria pedido ajuda para a menina, pois supostamente queria encontrar seu labrador preto perdido. Essas informações foram concedidas pelo departamento de policia. A menina teria entrado no banco do passageiro e disse ao homem que iria ajudá-lo.

A menina que havia sido seqüestrada foi encontrada fora de Cody, cerca de 8:15 da noite. Ela disse à policia que o sujeito havia apontado uma arma para ela entrara no carro. Após ser libertada pelo captor, a menina desceu a estrada até ser avistada por um grupo de caçadores que passava por ali.

O porta-voz xerife do condado de Jefferson, Jacki Kelley, disse: “Não estamos ignorando o fato de que temos situações semelhantes em um curto período de tempo. Se elas estão relacionadas ou não, isso não podemos dizer com certeza”.

O sequestrador de Wyoming foi descrito como sendo um homem branco, com cerca de 50 a 55 anos de idade, 185 a 200 libras (cerca de 80 a 90 kilos), cabelo curto, louro ou branco, bigode e barba bem aparados da mesma cor do cabelo. Usava uma camisa marrom, calça jeans e um boné de beisebol. Sua pele parecia bronzeada.

Luzes para Jessica.

Na noite do dia nove, o Community Park, Superior foi iluminado pelos feixes das centenas de lanternas de pessoas que queriam demonstrar apoio e rezar por Jessica Ridgeway. Cerca de 250 pessoas participaram da vigília. Em Westminster, a Indiana St., a Coalton Ave. e o Kensington Park também foram iluminados. As duas comunidades estavam unidas pelo retorno seguro de Jessica

Cote, o pastor que organizou a vigília afirmou que as lanternas simbolizavam que a luz estava acesa para a menina em casa e que as pessoas não iriam parar de procurá-la até encontrá-la.

Diane Rafferty, moradora de Louisville, afirmou que, como ela era mãe de dois filhos adolescentes, ela sentiu que deveria fazer parte da vigília e mostra seu apoio:

“Deixei meus filhos iram a pé para o colégio o tempo todo, eu simplesmente não posso acreditar que isso aconteceu perto de nós. Queremos sair em apoio e fazer algumas orações para ela voltar a salvo.”

O pastor executivo da Igreja de Rock Creek, Gary Preston, fez orações na vigília para a segurança de Jessica. O pastor Mike Durrill, da Igreja da Comunidade de Louisville Valley concentrou seus comentário e orações na família de Jessica.

O rabino, Jamie Korngold, de Boulder, demonstrou solidariedade com a família de Jessica e ressaltou a força e a capacidade coletiva das pessoas que ajudam umas as outras em momentos difíceis. Ele guiou um coro a cantar uma canção em hebraico que dizia: “Como é bom e como é adorável quando as pessoas vivem em paz. Muitas pessoas levaram fitas e balões verdes e roxos. Verde representava a solidariedade e a esperança. O roxo, como já dito, era a cor favorita de Jessica.


Asia Maus, com sua filha, Taylin Lewis, era uma entre as centenas de pessoas que compareceram ao evento para rezarem por Jessica.(MARK Leffingwell)

Tim Gaines, padre da igreja católica de São Luiz, em Louisville, resou para que as autoridades de segurança pública continuem procurando por Jessica. O xerife do condado de Boulder, sargento Jim Chamberlin, agradeceu as pessoas ali reunidas pela ajuda nas buscas pela menina. Ele afirmou ter recebido telefonemas que o incentivava a continuar com as buscas. Até mesmo caixas de biscoito foram doadas para os policiais no dia 7. O xerife aproveitou para enfatizar a importância da comunicação: “Se há algo que o incomoda, que você acha estranho, ligue para nós”

Um dos momentos mais marcantes da noite, foi quando os pais de Jéssica ajoelharam em oração, abraçando sua família.
Jason Schimpf reza com suas duas filhas, Calista de 12 anos, (à esquerda) e Zoe, 10 anos, em Superior, Denver. (MARK Leffingwell).
Grant Hansen, membro da igreja de Rock Creek que participou da vigília com seus três filhos, falou: “Achei boa a ideia do evento. Por último, queremos ver Jessica em casa e segura e isso é o mínimo que podemos fazer juntos para expressar nosso apoio pela família de Jessica”.

Os pais de Jessica são totalmente descartados como suspeitos.

Quarta-feira, dia 10 de outubro de 2012. A policia tira completamente as suspeitas sobre os pais de Jessica.

“Nós estamos confiantes de que os pais de Jessica Ridgeway não estão envolvidos em seu desaparecimento” disse o porta-voz Materasso, “O foco agora e direcionado para um suspeito desconhecido, pois achamos que ela foi sequestrada”. As autoridades, entretanto, não tinham pistas específicas ou uma descrição de como o sequestrador poderia ser.

A policia continuou pelas buscas por Jessica. Agora começava a fase de excluir os locais próximos à casa da menina, locais onde as buscas não resultaram em nada.

Entretanto, as buscas continuaram. As equipes de mergulho procuraram por corpos em lagoas e proximidades por precaução. A policia trabalhava na tentativa de descartar possíveis locais onde Jessica poderia está.

Parte das buscas se concentrou em um aterro sanitário nas proximidades. A policia tinha assegurado que o lixo foi retirado da área, na época em que a menina desapareceu. Segundo Materasso, a policia não acreditava muito que as buscas trariam algo revelador, entretanto, todas as possibilidades deveriam ser checadas.

Pessoas foram chamadas para lidar com o grande número de sugestões geradas por Toto o país. Mais de 650 telefonemas e e-mails foram recebidos. As dicas foram todas checadas, no entanto, a policia não conseguiu informações atualizadas sobre possíveis suspeitos ou veículos envolvidos.




Os trabalhos policiais na Leyden Road, ao oeste de Arvada, realizados na quarta-feira, dia 10.


Os reflexos do desaparecimento de Jessica logo apareceram. Na escola da garota, os professores mantiveram seus alunos nas dependências do colégio durante o recreio.

Quando perguntado sobre a possibilidade de crime sexual, Materasso afirmou que policiais estão checando a incidência de crimes sexuais na área.

“Criminosos sexuais também têm sido o foco das investigação como procedimento padrão”.

A policia de Maine entra no jogo.

O desaparecimento de Jessica ganhou um novo capitulo. A policia de uma pequena cidade da Nova Inglaterra, Maine, entrou no jogo, quando denuncias de que uma menina com cerca de 10 anos, com características semelhantes as de Jessica foi vista em um vídeo gravado na cidade.

“Nós tivemos que rever o vídeo e estamos trabalhando em um relatório”, disse o porta-voz da policia de Dexter.

Uma mulher disse ter visto a menina no domingo, a bordo de um veículo Buick azul, com placas do Colorado, próximo a uma estação de trem, informou o canal regional WABI TV. A policia de Dexter, uma cidade com cerca de 5000 habitantes, notificou as agencias de outras cidades e estados para parar o carro suspeito se vê-lo. Uma segunda pessoa teria visto o veículo com a menina em Harmonia, também no estado de Meine, de acordo com o canal de TV.

O porta-voz de Meine ressaltou que recebeu informações de que apenas uma menina parecida com Jessica fora vista, mas nada era certo. Trevor Materasso disse: “Contamos com as agências de policia de todo o país para ajudar na investigação”.

A Polícia Westminster afirmou que vieram dicas de Maryland, Maine, Nevada, Texas e Wyoming, só para citar alguns. Na manhã de quarta-feira, mais de 650 informações sobre o desaparecimento de Jessica foram recebidas pela policia de Westminster.

Um cadáver é encontrado.

Ainda no dia 10 de outubro, durante a noite, policiais encontraram um cadáver infantil próximo ao Pattridge Park, no subúrbio de Arvada, Denver. A policia, até então, se recusou a fazer qualquer ligação entre o cadáver e o desaparecimento de Jessica.

Os policiais estavam incertos e queriam identificar o corpo. Mais nenhuma informação foi dada.

O local onde o cadáver foi achado ficava ao sul da National Wildlife Refuge Rock Flats e é cercado por minas de carvão abandonadas. A área é muito frequentada por ciclista e praticantes de aeromodelismo aos fins de semana.


Um cadáver desmembrado é encontrado. Seria de Jessica Ridgeway?


Dia 11, as buscas continuaram. O FBI continuou com os apelos ao público para destinar atenção a comportamentos estranhos em pessoas suspeitas, que pudesse se encaixar no perfil de um provável sequestrador de Jessica.

Em uma entrevista coletiva na tarde de quinta-feira, Dave Joly, porta-voz do FBI , disse que o FBI está dando todo o auxilio aos policiais de Westminster, incluindo com um grupo de cães de busca, membros da equipe que investiga o desaparecimento de crianças e uma Unidade de Analise Comportamental. Joly afirmou que, muitas pessoas podem, sem saber, ter contato com o agressor, mas era possivel observar mudanças de comportamento nessa pessoa: "Ele pode ser seu chefe, seu amigo ou membro da sua família", disse Dave.


Policiais bloqueiam uma rua em Arvada, Denver.


O sequestrador, provavelmente um homem, pode ter faltado ao trabalho ou a outros compromissos agendados. Ele poderia ter deixado a cidade sem qualquer explicação ou razão plausível. A pessoa pode expressar um intenso interesse no andamento da investigação e prestar muita atenção na mídia. Por outro lado, ele poderia se desligar completamente da mídia, ou tentar mudar de assunto ao conversar sobre a vítima e sobre sua família.

Não iremos deixar pedra sobre pedra.

Joly afirmou também que as pessoas deveriam prestar atenção em mudança sem consumidores habituais de drogas ou álcool. Prestar atenção se alguém mudou a aparência de repente, alterando alguma coisa para dificultar a identificação, como alterar a cor do veículo,cortar o cabelo ou fazer a barba. Joly, no entanto, não quis comentar diretamente sobre qualquer aspecto do curso da investigação. Resumindo,ele afirmou: " Não iremos deixar pedra sobre pedra".
Policiais procuram por pistas nos campos abertos de Arvada.

Trevor Materaso, porta-voz da policia de Westminster, falou sobre o cadáver encontrado em Arvada. O corpo não estava intacto, o que dificultou bastante a identificação. A família de Jessica foi notificada sobre a descoberta e sobre as condições do corpo e aguardou informações a respeito. A policia acreditava que não poderia fazer uma identificação positiva até a sexta-feira (dia 12 de outubro). "Não temos informações nenhumas a acrescentar", disse Materasso, em uma coletiva, ao 12:15.

A policia guardou, durante toda a tarde, a frente da casa onde a menina foi vista pela ultima vez. As buscas pelos bairros de Westminster continuaram, principalmente em campos e áreas verdes. Um ônibus cheio de investigadores adicionais chegou durante a tarde de quinta à sede da policia em Westminster.Outros ônibus continuaram a trazer investigadores para Westminster. Ao todo, 35 agências diferentes participaram da quinta-feira de investigação.

Algumas estradas próximas foram fechadas. Investigadores trabalharam no local onde o cadáver foi encontrado, em Arvada. A policia incluiu em suas buscas o espaço entre a West Avenue 82, Colorado 93 e Indiana Street. Investigadores federais percorreram toda a área gramada ao norte de West 82nd Avenue e ao leste do aterro BFI. Refletores postos no alto de escadas de caminhões de bombeiros ajudavam os investigadores na escuridão da noite. O trabalho das equipes centrou-se próximo a um edifício abandonado, que parece ter sido usado por mineradores antigamente.

Mergulhadores continuaram suas buscas no Standley Lake, à cerca de um quilometro da casa de Jessica. Um casal de aposentados, Tom e Elsa White, presenciaram o trabalho da equipe de mergulhadores: "Isso tudo é um pesadelo. Eu desejava nem saber que isso tudo está acontecendo.Sei que coisas assim acontece no mundo, mas o Mundo é lá fora e nosso lago é aqui mesmo", disse Tom White.

"Agora que eu vi os investigadores parece ser mais real. está acontecendo bem aqui em nossa comunidade", disse Elsa White.

O FBI confirmou que não havia ligação entre o desaparecimento de Jessica e o caso ocorrido em Cody, cujo autor do crime estava foragido. Buscas estavam sendo feitas em torno das escolas de ensino fundamental de Broomfield. Entre 20 e 25 oficiais realizaram patrulhas extras como precaução, na tentativa de que um suspeito em potencial fosse identificado, mas nenhuma atividade susaita havia sido identificada.

O departamento de policia de Broomfield também havia entrado na investigação. O porta-voz de policia Thomas C. Deland disse: “Esperamos que o caso seja resolvido rapidamente. Até aí, nosso oficiais continuarão as patrulhas até algo novo surgir.”

Como vimos, policiais de Westminster, Superior, Arvada e Broomfield se empenharam em localizar a menina ou alguma pista que pudesse esclarecer o que teria acontecido com Jessica. Os pais ficaram amedrontados e passaram a ficar mais atentos com os filhos. O medo e a esperança de encontrara a menina com vida eram enormes. Na quinta-feira, os exames de DNA começaram a ser feitos no cadáver encontrado em Arvada.

Jessica Ridgeway: Morta.

Uma semana depois da menina Jessica desaparecer, a pior noticia que Sarah poderia ouvir lhe foi dada: Os exames de DNA deram positivo. O cadáver desmembrado encontrado em Arvada era de Jessica Ridgeway. A esperança se transformou em tristeza.


Sarah Ridgeway abraça Jeremiah

A anuncio foi feito durante a sexta-feira, dia 12 de outubro (dia das crianças aqui no Brasil), por policiais responsáveis pelo caso. “O foco mudou de busca por Jessica, para justiça para Jessica”, disse o chefe de policia de Westeminster, Lee Birk, “Há um grande predador em nossa comunidade”, completou.


Noticia sobre a descoberta do cadáver e dos resultados dos exames de DNA realizados pelo FBI.
Lee Birk toma a palavra: "Existe um grande predador em nossa comunidade". 
Birk afirmou que os investigadores estão dando tudo de si para encontrar o assassino e proteger as crianças e famílias das comunidades envolvidas. Crianças as quais ele chamou de “O nosso bem mais precioso”

O corpo de Jessica Ridgeway foi identificado por exames realizados pelo FBI. O exame foi necessário, uma vez que a identificação não poderia ser feito, pelo corpo estar destruído. Jim Yacone, agente especial do FBI encarregado pela divisão de Denver também tomou a palavra: Os investigadores não irão vacilar em nosso compromisso. Nosso compromisso de buscar a justiça só vai crescer ainda mais.”

Um centro de aconselhamento público foi aberto no Wells Fargo Building, às 8 horas e foi reaberto às 10 horas. Também foi aberto no sábado. O objetivo era aconselhar pais preocupados e tirar suas dúvidas.

A comunidade toda se uniu. Kimberly Bownan havia montado uma página no Facebook, assim que tomou conhecimento do desaparecimento de Jessica. Ela combinou com os membros da página um encontro, após a confirmação da morte da garota, no 9410 da Wadsworth Parkway, para consolar os membros da família da garota. Conselheiros do centro de aconselhamento e pastores, todos se uniram em solidariedade à família de Jessica. Kimberly também organizou um evento de soltura de balões de gás.

“Nós já havíamos planejado o evento dos balões. Agora iremos transformá-lo em um evento pela alma de Jessica”. Cartões foram distribuídos para que as pessoas pudessem escrever mensagens e orações para a menina. O local marcado para a soltura de balões foi o mesmo, o estacionamento do 9410 na Wadsworth Parkway, às duas horas da tarde de sábado. Foram feitas doações de balões roxos e alimentos para o evento.


"O que aconteceu com Jessica?": O site da rede de notícias ABC aborda o caso do desaparecimento da garota e da descoberta de seu corpo.

As autoridades não quiseram dar muitos detalhes sobre o caso e sobre as ferramentes usadas na investigação, pois isso poderia atrapalhar as investigações. Funcionários do Department of Corrections, checaram registro de criminosos sexuais condenado. Registro de outros crimes sem solução também foram checados

As linhas para informações continuaram abertas para mais informações. A essa altura, mais de 1500 informações, das quais cerca de 800 haviam sido checadas pela policia, foram recebidas. A linha especial para o caso foi mantida e Yacone pediu para que, se alguém tivesse alguma informação, a ligação era importante. O porta-voz de policia, Trevor Materasso, no entanto, retirou o apelo feito por ele na quinta-feira e pediu ao publico que somente observasse colegas de trabalho, amigos e até parentes que se encaixariam no perfil comportamental no suspeito.


Cartz em homenagem à Jessica Ridgeway.

“Você está familiarizado com seu bairro... Você vai reconhecer quando algo estiver fora do lugar...” Disse Materasso à população.

“Essa não é a noticia que queríamos ouvir”, Disse Scott Storey, de Jefferson County, “ A coisa mais importante que devemos fazer agora é investigar, prender e levar a julgamento a pessoa que fez isso”.

Dave Joly, porta-voz do FBI disse: “Não vamos descansar até que a pessoa que fez isso esteja presa”.

O porta-voz do FBI Dave Joly disse, "Nós não vamos descansar até que esta pessoa está presa”. Ele acrescentou que os investigadores precisam de uma cominidade “empenhada e consciente.”

O prefeito de Denver, John Hickenlooper, divulgou um comunicado após a conferência de imprensa:

“Este é um fim impensável, em um crime impensável na nossa comunidade.

É com um profundo sentimento de tristeza que soube da morte de Jessica Ridgeway. Em nome de todos do Colorado, oferecemos nossas mais profundas condolências à sua família e amigos. O Departamento de Segurança Pública do Colorado e outros órgãos federais, estaduais e municipais envolvidos no caso continuará a prestar todo o suporte possível que a investigação continua.”

Pouco antes das 05:00, as redes de TV anunciaram as atualizações do Alerta de desaparecimento: Quase uma semana depois de emitido, o Departamento de policia de West minster havia cancelado oficialmente o alerta de desaparecimento para Jessica Ridgeway.

Balões roxos.

Debaixo de chuva fina e sob fortes ventos , mais de mil pessoas permaneceram à espera de uma ultima chance para dar adeus a Jessica Ridgeway, na tarde de sábado, dia 13 de outubro.
O evento dos balões, em homenagem à Jessica Ridgeway.

A maioria das pessoas haviam se reunido às duas horas. Muitos não haviam conhecido a menina, mas acompanharam o caso pela TV, torcendo para o retorno dela. Todos deram as mãos e rezaram, antes de soltarem balões de gás hélio roxos. Por um momento, o céu cinza de Denver foi colorido pela cor favorita de Jessica Ridgeway.




Balões roxos colorem o céu de Denver.
Diane Johnson, como muitos do grupo, não conheceram a menina pessoalmente, mas estava debaixo de um guarda-chuva, rezando pela alma da menina. “É horrível imaginar que alguém poderia fazer isso à uma menina”, disse.


Balões na cor roxa e verde, bichos de pelúcia e flores, para homenagear Jessica Ridgeway.

Balões roxos em homenagem à Jessica no Chelsea Park, Oak Creek,  Colorado.

A celebração pela alma da menina atraiu pessoas de vários locais. As ruas próximas ao local ficaram obstruídas pelos carros das pessoas que se dirigiam ao evento. Quase todo mundo estava vestindo roxo e muitos não conteram o choro.

Buscas prosseguem.

As buscas pelo assassino de Jessica continuaram. Cerca de 100 pesquisadores estaduais e federais trabalharam todo o fim de semana, tentando descobrir suspeitos para o caso de assassinato da menina.
Equipe de policiais realizam buscas na região onde o corpo de Jessica foi encontrado.
A equipe de investigação incluía profilers do FBI, agentes da US Marshals Service, analistas da cena do crime e detetives da CBI Westminnster. Eles seguiram pistas e entrevistaram criminosos com registro de crime sexual, segundo Trevor Materasso. Os policiais verificaram informações dada sobre onde poderiam procurara evidências. Até mesmo dicas de pessoas que alegam ter poderes psíquicos foram consideradas. As informações foram checadas, entretanto, nenhuma levou a algo conclusivo. A policia esperava que algum cidadão notasse alguma mudança em alguém próximo, pois assim a investigação poderia ser direcionada para algum suspeito específico.

Perfil do assassino.

Diversos especialistas descreveram traços da personalidade de homens que sequestram e assassinam crianças. Roger Depew, ex-chefe de ciências do comportamento do FBI, é o fundador do Academy Group Inc., um grupo de ciência do comportamento, que trabalha para o FBI.

Roger comentou sobre a mochila de Jessica, encontrada em Superior, em uma calçada, posta de pé. Ele sugere que a mochila não foi lançada, mas sim posta cuidadosamente na posição em que foi encontrada.

“Isso tem um tom de provocação, como se ele estivesse anunciando que ele é único e ele colocou a mochila lá”, Disse Depew. “Eles acham que são mais inteligentes que a policia...”

As autoridades, mais uma vez, evitaram dar mais detalhes sobre a garrafa encontrada na mochila, cujo nome da garota estava escrito. O fato da mochila ter sido encontrada em uma direção – a noroeste de onde Jessica teria sido sequestrada - e o corpo ter sido encontrado mais tarde, a sudoeste de onde Jessica foi vista pela ultima vez, sugere que o criminoso levou um ou dois dias para se desfazer do corpo.

O espaço onde Jessica foi encontrada morta é próximo a uma mina abandonada, em um local de pouco movimento de pessoas, próximo a uma área povoada. O assassino provavelmente sabia que ali ele poderia esconder o corpo sem muitas possibilidades de ser descoberto,e assim ele se sentiu confortável.

Park Dietz, fundador do Grupo de Avaliação de Ameaça de Newport Beach, na Califórnia, disse que o tipo de pessoa que seqüestra e mata crianças tende a ser pouco metódico. Ele afirma que essas pessoas costumam ser desleixadas, mal educadas e pobres, dirigem veículos em ruínas e são impulsivos. Muitas vezes, têm problemas com o abuso de álcool e drogas ilícitas. Tendo encontrados em seus caminhos uma criança, eles as atraem. Para essas pessoas, seus interesses são mais importantes que a vida das crianças.

Clint Van Zandt, um agente aposentado do FBI, disse que a maioria das crianças seqüestradas e mortas nos Estados Unidos são vítimas de desconhecidos. O número de desaparecimentos de crianças é de cerca de 100 a 120 por ano, em todo o país.

Até o momento, as autoridades correm atrás de pistas para descobrir quem é o assassino de Jessica. Eu soube do desaparecimento da menina através de uma página no Facebook. Não costumo escrever sobre crimes em andamento, mas estou acompanhando esse caso. Em breve, escreverei novas noticias sobre ele (em outro post). Que desfecho o caso de Jessica Ridgeway terá?

Um Website em homenagem à menina foi criado. ele pode ser acessado aqui.
Os relatos aqui feitos têm como fonte o site: http://www.dailycamera.com/

5 comentários:

  1. No paragrafo segundo do tópico "Investigação emSuperior" está escrito "...comitiva de imprensa", acho que o certo seria "coletiva de imprensa"

    ResponderExcluir
  2. sou pai e consigo imaginar a dor que os pais dessa garota devem estar sentindo, espero nunca passar por isso, pois acho que não conseguiria continuar vivendo em sã consciência, muito provavelmente eu procuraria a morte.

    ResponderExcluir
  3. Affs, essa notícia só pode ser ficção.

    ResponderExcluir