12 de fev de 2012

Mais dez (ou onze) serial killers brasileiros



Demorou, mas chegou. A nova lista com assassinos em série brasileiros. Dessa vez, não ire incluir a "tabela" com classificações que havia posto na primeira lista. Irei apenas relatar um pouco da história de cada um. Além disso, essa lista não tem um "pódio", são apenas dez casos notórios, todos com a mesma relevância (Você pode ler a primeira lista clicando aqui). Talvez faça uma nova lista, mas não agora, bem mais à frente.



Laerte do Patrocinio Opinelli - Monstro do Rio Claro.



Conhecido como o monstro do Rio Claro, Laerte era um andarilho que despertava compaixão por onde passavam devido ao seu jeito desgrenhado e a aparente pobreza. Ele fazia bicos como vender esmalte e lixas, espetinho em quermesses e auxiliar de pedreiro. Laerte demonstrava um comportamento estranho desde a infância, era arredio e mal nos estudos, acabou abandonando os estudos ainda cedo. Ainda na infância, sumiu de casa sem dar satisfação aos pais; voltou somente uma semana depois. Em sua juventude, passou, por várias vezes, por clínicas psiquiátricas, de onde diversas vezes fugiu. Sua mãe o amarrava no pé da cama, para evitar que deixasse sua casa, mas nada adiantava. Também teve problemas com o alcoolismo. Laerte confessou o assassinato de 13 crianças, com idades entre quatro e dez anos. Ele as atraia oferecendo doces, uma vez em seu domínio, elas eram violentadas, espancadas e mortas. A polícia perseguiu o Monstro do Rio Claro por meses, ele foi preso no município de Leme, em 13 de janeiro de 2000.


Cláudio Souza - Maníaco da Lanterna.

Me lembro desse caso, quando passou no programa Linha Direta (sempre que toco nesse nome, sinto uma nostalgia...) em 2007. Cláudio Souza era um assassino andarilho, que vivia entranhado no mato. Ele atacava a tiros casais que passavam por uma trilha, durante a noite. Primeiro atirava nos homens, depois nas mulheres. Um dia, sua arma falhou, e ele foi espancado por uma das vítimas, mas fugiu. O apelido maníaco da lanterna, se deu por que Cláudio usava uma lanterna para iluminar seu caminho. Entre seus pertences, além da lanterna, estava uma espécie de diário, onde ele agradecia a Deus pela oportunidade de matar as pessoas que ele julgava impuras, também havia um novo testamento edição de bolso. Cláudio é acusado de nove assassinatos e suspeito de outros três, entre 2001 e 2005, na região norte de Mato Grosso. Ele foi preso em abril de 2008.


Adimar Jesus da Silva - Monstro de Lusiana.




Entre dezembro de 2009 e janeiro de 2010, seis jovens desapareceram misteriosamente em Luziânia, a 196 km de Goiânia. Foi aberta uma CPI na câmara dos deputados, chamada de  CPI do Desaparecimento das Crianças e Adolescentes. A polícia trabalhava intensamente e as mães dos jovens envolvidos se reuniram e clamaram por justiça. Ainda havia esperança de que os rapazes fossem encontrados com vida. Em 10 de abriu de 2010, Adimar Jesus da Silva, um pedreiro de 40 anos, foi preso e acusado dos crimes. Ele confessou ter violentado e assassinado os seis jovens, também indicou o local onde estavam enterrados os corpos. Adimar se disse arrependido, e afirmou pensar nos parentes das vítimas. Ele foi encontrado morto, por volta da uma hora do dia 18 de abril de 2010, enforcado com uma corda improvisada, em sua cela. Adimar já havia sido preso por estupro, mas foi liberto em dezembro de 2009, pouco tempo antes de cometer os assassinatos. Ele era baiano e usava três carteiras de identidade  falsas.


André Luiz Casimiro - Estrangulador de Juiz de Fora.


Juiz de Fora - Zona da Mata mineira.
Até a pacata Juiz de Fora, zona da mata mineira, teve seu assassino em série. André Luiz casimiro, invadia casas onde moravam mulheres sozinhas, de idade entre 50 e 70 anos, nos anos de 1995 e 1996. Ele agia com brutalidade, atacava as vítimas sexualmente e as estrangulava com fios de aparelhos eletrônicos. Casimiro foi preso porque sua irmã encontrou um cartão, no nome de uma mulher, entre seus pertences. Ele informou o caso a um amigo, que denunciou à polícia. Quando preso, Casimiro enquanto estava em liberdade condicional, depois de cumprir 10 anos por roubo.


José Vicente Matias - Corumbá.


Entre 1999 e 2005, seis mulheres foram violentadas e assassinadas pelo mesmo homem, o hippie e artesão José Vicente Matias, o Corumbá. Matias nunca confessou os crimes. Sempre alegou conhecer as vítimas, mas dizia que as mortes não foram culpa dele. às vezes alegava legitima defesa, em outras mortes acidentais, ou também influencia demoníaca, sempre entrando em contradições em seus testemunhos. Matias estuprou e assassinou seis mulheres em cidades do Maranhão, Goiás, Bahia e Minas Gerais. 3 de suas vítimas eram turistas. José bebeu sangue  e ingeriu partes do cérebro de uma das vítimas, a espanhola Núria Fernandez, durante um estranho ritual de dança. Corumbá concedeu entrevistas a programas de TV, depois de detido, sempre alegando sua inocência. Ele diz que a morte o persegue. Ele foi preso na noite de 29 de março de 2005, em uma casa usada por usuários de drogas, na cidade de Bragança, a 215 km de Belém, no Pará.


José Ramos e Catarina Palse - Crimes da Rua do Arvoredo.
Notícia da época dos crimes.
Em 1864, na província de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, José Ramos, um ex inspetor de polícia, que no momento trabalhava como informante e sua bela amante, a alemã Catarina Palse, são acusados de uma série de assassinatos, por motivos financeiros. O que mais  chocou no caso, foi o boato de que muitas de suas vítimas seriam transformadas em linguiças ordinárias e vendidas para toda a cidade.  JoseCarlos Claussner, um imigrante alemão, faria linguiça com a carne das vítimas. Um dia, porém, Claussner alegou que desejava deixar o país. José Ramos, então, o matou e falsificou um documento onde Carlos o teria vendido o açougue. A série de desaparecimentos crescia em Porto Alegre, incluindo o desaparecimento de um imigrante português. Ossadas foram encontradas no porão da casa na Rua do Arvoredo. Ramos e Catarina foram presos. Ela, com remorso, contou sobre mais de nove assassinatos. Ramos recebeu pena de morte, que foi comutada para a prisão perpétua. Ele morreu na prisão em 1893, ainda alegando inocência. Catarina Palse recebeu pena de 20 anos de detenção, a pena foi comutada para 13 anos. Ela morreu de frio, em uma esquina e foi internada como indigente no cemitério da Santa Casa. Dizem que até Charles Darwin, pai da teoria da evolução das espécies, tomou conhecimento do caso. Até hoje não se sabe se a história do canibalismo coletivo foi real, ou se não passa de lenda. A Rua do Arvoredo, hoje chama-se Rua Fernando Machado.


Ibrahim e Henrique de Oliveira - Irmãos necrófilos.
Nova Friburgo - RJ

Ibrahim, em 1976 e Henrique, nascido em 1974 em Nova Friburgo, RJ, se tornaram conhecidos e procurados por uma série de nove homicídios, seguidos de violação sexual, em 1995 e 1996. A prefeitura de Nova Friburgo ofereceu cerca de 5 mil reais em recompensa, o que chamou a atenção de vários "aventureiros". Cerca de 250 policiais estavam na busca dos irmãos. Pessoas que participavam de uma festa em uma fazenda, próxima a uma montanha, avistaram um dos irmãos na montanha e comunicaram à policia. Policiais do BOPE subiram o morro atrás dos irmãos e cerca de 20 aventureiros se posicionaram nas trilhas com carabinas e facões, impossibilitando assim a fuga. Ibrahim foi morto por policiais, mas Henrique conseguiu fugir por meses, até ser capturado. Henrique foi acusado a 34 anos de prisão por assassinar João Carlos Maria da Rocha, um vigia. A namorada de João Carlos, Elizeth foi uma das principais testemunhas de acusação. Ela havia sido estuprada pelos irmãos e só fugiu depois de simular suas mortes. Ibrahim e Henrique violentavam, matavam, esquartejavam e praticava necrofilia com suas vítimas. Eles são suspeitos de mais de 15 assassinatos entre 1991 e 1995.


Marcos Antunes Trigueiro - Maníaco de Contagem.


Marcos Antunes Trigueiro nasceu em Minas Gerais, na cidade de Brasilia de Minas, em 1978. Ele estuprou e matou pelo menos três mulheres, em Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, no anos de 2009. As vítimas eram violentadas e agredidas, depois eram estranguladas até a morte. Marcos sempre apresentou um comportamento estranho: quase não saia de casa, tinha um relacionamento conturbado com a mulher e com os cinco filhos, era frio, sem emoção e inteligente. Muitas pessoas tinham medo dele. Até sua mulher o descrevia como um "matador". Marcos já era um velho conhecido da polícia. Ele já havia sido preso por assalto e homicídio e já havia fugido, em 2005, de uma cadeia, na cidade de Betim. Ele estava em liberdade condicional desde 2008, quando cometeu os crimes. Ele é suspeito de dois outros assassinatos.


Edson Isidoro Guimarães - O enfermeiro da morte.

Edson Isidoro trabalhava no hospital Salgado Filho, bairro do Meyer, zona norte do Rio de Janeiro, quando ganhou o apelido de enfermeiro da morte. Como uma espécie de Jack Kervokian, Edson desligava aparelhos de pacientes terminais e em alguns casos aplicou injeção de cloreto de potássio, causando embolia pulmonar em 4 pacientes. Edson foi preso em 7 de maio de 1999, acusado de homicídio  triplamente qualificado (motivo fútil e sem chance de defesa à vítima). Ele alegou que cometeu os crimes por compaixão das vítimas, pois não aguentava mais assistir o suplicio delas. Ele também alegou que agia sozinho, observando quais os pacientes estavam em estágio terminal, quando o encontrava, administrava injeção de cloreto de potássio (geralmente usado para hidratar doentes, mas usados na quantidade em que Isidoro usava é fatal), ou desligava o tubo de oxigênio que o mantinha vivo. Edson também foi acusado de pertencer à máfia das funerárias, e teria ganhado dinheiro com as mortes. O número de vítimas de Edson, pode chegar à 100, durante seus plantões, no período entre janeiro e maio de 1999, foram registradas 131 mortes. Edson encontra-se preso na Polinter, RJ. Seus serviços médicos sempre são requisitados se algum detento se sente mal.


Irineu Carlos Nórdio - o maníaco do serrote.
Cidade de Videira - SC.
Irineu Carlos Nórdio matou sua primeira vítima em 1999, um cozinheira de 36 anos. Ela foi estrangulada e teve o corpo completamente carbonizado, depois foi cortada em pequenos pedaços e jogada dentro de um riacho. Por incrível que pareça, Nórdio é um ex-seminarista e trabalhava como vendedor de bilhetes. Ela matou outra mulher em 2000, depois de tê-la buscado em casa, de moto. Como na primeira vez, ele esquartejou a vítima e atirou partes do corpo em um rio. A próxima vítima seria um homem que fazia sexo com a namorada em um terreno baldio. Irineu matou-o com um tiro, esfacelou a cabeça com uma pedra, e fugiu levando a garota nua na garupa de sua moto. A mulher conseguiu fugir e não se tronou vítima do maníaco. Depois de preso, Irineu fez mais uma vítima, desta vez, um colega de cela. Ele o golpeou com mais de 40 golpes de estilete.


Bônus: Bárbara dos Prazeres - A onça.
Roda dos enjeitados.
A história do Rio de Janeiro, em si, é muito interessante. Desde as revoltas armadas até a imagem que levou um tiro de canhão e não quebrou. Mas uma figura, hoje muito apagada, que trouxe medo à muita gente em séculos passados, essa foi Bárbara dos Prazeres. Bárbara se ocupava do que Nelson Rodrigues chamaria de "a profissão mais antiga do mundo", a prostituição. Bárbara não era brasileira; Ela nasceu em 1770 em Lisboa, Portugal, e veio ao Brasil com 18 anos de idade. Casou-se com um cigano e enamorou-se com um mulato. Matou o marido para ficar com o amante. Bárbara também não demorou muito a matar o novo amante, pois ele vivia as suas custas. Sem orientação e oportunidade, tornou-se prostituta. Após alguns anos, contraiu sífilis e começou a envelhecer. O desespero a fez procurar casas de feitiçarias, onde ela foi orientada a beber (ou banhar-se) sangue humano. Bárbara dos Prazeres tinha como ponto o Arco do Teles. Daí o nome, dos Prazeres. Antigamente, no Arco dos Teles, havia um oratório com a imagem de Nossa Senhora dos Prazeres, mas, com o avanço da boemia e da prostituição no local, a imagem foi movida para a igreja de Santo Antônio, na Rua dos Inválidos. Aquela região do Arco dos Teles era chamada de Prazeres. Bárbara começou a raptar crianças pobres. pendurava-as ainda vivas e extraia o sangue da carótida. Ingeria ou banhava-se. A maioria eram crianças abandonadas, filhos de escravos ou bebês das rodas dos enjeitados (uma roda encontrada em conventos. A mãe colocava o filho indesejado na abertura da roda e girava. Do outro lado, uma freira recebia a criança, e a identidade da mãe era mantida em segredo). Bárbara nunca foi presa, acredita-se que morreu afogada na Baía de Guanabara. Não se sabe ao certo se seus crimes e vampirismo foram reais, ou apenas invenções. Existem poucos relatos de sua existência. Bárbara dos Prazeres virou uma espécie de Cuca e, se seus crimes forem reais, ela seria a primeira assassina em série do Brasil. Preto Amaral perderia seu cargo.

10 comentários:

  1. Belo post, super interessante!
    *no caso do "maníaco da lanterna", Abril (referente ao mês) esta escrito com "u".

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo aviso Ramy, já corrigi! =D

    ResponderExcluir
  3. VC NAO FALA DO PEDRINHO MATADOR E DOS MENINOS EMASCULADOS

    ResponderExcluir
  4. Falei sobre os dois na primeira parte... É só clicar na palavra "aqui", que está entre parenteses no início do post! =D

    ResponderExcluir
  5. Parabéns um blog MUITOOOO interessante espero que não demore tanto tempo para postar a próxima lista sk BR

    ResponderExcluir
  6. Importante e ASSUSTADOR o blog!
    Infelizmente, temos de conviver com esses monstros: e estão mais perto do que imaginamos...
    Cada dia temos mais conhecimento destes/sem falar nos CRIMES BÁRBAROS que vemos e ouvimos.
    Lembro dos tais irmãos assassinos_aliás descobri o blog após porocurar pois tais.
    E parece que ELES FORAM MUITO MAIS CRUÉIS do que abordam aqui; li que o pai destes TENTOU MATÁ-LOS COM UM MACHADO E ACABOU MORTO POR ENVENENAMENTO; nem sei se pelos filhos. E parece que um destes ESTUPROU UMA IRMÃ E ESTA ACABOU ENGRAVIDANDO... E a mãe destes queria que TIRASSE PORQUE SERIA PECADO TER UM FILHO DE UM IRMÃO!
    Essa região do RJ é bonita mesmo (como toda região serrana). Me recordo que na época dos crimes eu morava em PORTO ALEGRE (onde ainda moro) e retornava ao RJ (de onde sou). ía até num pequeno município na REGIÃO DOS LAGOS (onde tínhamos uma casa). Confesso que tinha medo que tais aparecessem por lá!
    E li num jornal daqui de POA, quando um destes foi assassinado (talvez o pior): a matéria dizia TAL CIDADE GANHA UM BELO PRESENTE DE NATAL... Caramba.
    O importante é ter cuidado, ainda mais com tanta MODERNIDADE: o MUNDO VIRTUAL. Bom por um lado e ruim do outro.

    Tchau (Rodrigo)

    ResponderExcluir
  7. Sobre o maniaco da Lanterna. na minha cidade o chamava de Lanterninha. E esse caso dele matar pessoas vem muito antes de 2001 acredito eu, ja que minha irmã quase foi vitima deste homem quando meu irmão (hj com 23Anos) tinha apenas 1 ano de idade, a chegar a passar mal e ser levada em estado de choque para casa quando avistou fotos dele que foram distribuídas nas escolas aquela época dado como procurado. Também era acusado de estuprar e matar jovens nas proximidades da cidade de Paranaita-MT cidade a qual me refiro.

    ResponderExcluir
  8. Sou o que restou de um desses maníacos minha mãe foi uma vítima , era uma criança quando tudo aconteceu mais hoje estou a procura de respostas que foram assim escondidas de mim , apesar de ler tantas crueldades a respeito continuo a procura de mais respostas . Assim continuare a minha jornada

    ResponderExcluir
  9. "Sou terminantemente contra a pena de morte!!!....... Para mim tem que matar sem pena mesmo!!!"

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir