27 de dez de 2011

Índice de maldade de Michael Stone

Michael Stone
Michael Stone é psicopata psiquiatra forense e professor na Columbia University. Ele criou um índice que classifica homicidas de maneira crescente: do de menor periculosidade ao mais perigoso. O índice, que vai de 1 a 22, leva em consideração três pontos: o motivo, o método e a crueldade. Futilidade, ausência de remorso, sadismo, violencia, perversão sexual, frieza, meticulosidade, mentira e um grande número de vítimas são caracteristicas que são facilmente encontradas no topo da lista.


Está certo que muitos outras teorias e estudos vão contra o índice de maldade (quase sempre acontece isso!), achei interessante postá-lo aqui.

Eis a lista de modo um tanto simplificada:

1 - Pessoas que matam em legitima defesa:
Pessoas assim não apresentam traços de psicopatia e não são considerados perigosos. Só mataram por que foram impelidos a isso, por necessidade de preservar a vida.


Caso: Dilermando de Assis.
Dilermando era um escritor e militar que se envolveu amorosamente com a esposa do escritor Euclides da Cunha. Em 15 de Agosto de 1909, Euclides da Cunha foi tirar satisfações na casa onde Dilermando estava com  Ana Ribeiro, mulher de Euclides. Dilermando levou três tiros, mas esquivou-se, sacou o revolver e atirou em Euclides da Cunha, que morreu.


2 - Parceiros que matam por ciúmes.
Pessoas que matam por motivos passionais. Os crimes são cometidos por ciumes e não envolvem fantasias. Acontecem uma única vez.

Caso: Doca Street.
Em 30 de dezembro de 1976, Raul Fernando do Amaral Street, conhecido como Doca Street, matou a tiros a namorada, Ângela Diniz. O motivo do crime foi ciúmes.


3 - Cúmplices de assassinos, que se mostram dispostos a matar:
Assassinos que, convencidos por pessoas próximas, praticam assassinatos.

Leslie Van Houten
Caso: Leslie Van Houten.
Lesilie era membra da família/seita de Charles Manson e foi acusada e condenada pelos assassinatos na casa de Sharon Tate e do casal LaBianca, a mando de Charles Manson, o seu líder. Recebeu pena de prisão perpétua e encontra-se encarcerada até hoje.


4 - Indivíduo que mata em legítima defesa, mas que provoca seu agressor para ser atacado:
Pessoas que matam em legítima defesa, mas que causa a raiva do seu agressor, provocando-a.


5 - Pessoas desesperadas e/ou traumatizadas, que matam, mas se arrependem:
Pessoas que matam devido a experiências traumáticas. E que depois dos crimes sentem um imenso remorso. O indivíduo geralmente se entrega ou facilita sua captura.
 
Caso: Martha Ann Johnson.
Marta assassinou por sufocação seus três filhos no estado de Georgia, Estados Unidos. Ela recebeu pena de morte, que foi comutada. Encontra-se encarcerada.

 
6 - Assassinos impetuosos, mas não psicopatas:
Matam com extrema violência, mas não apresentam traços de psicopatia.


Caso - John Bardo.
Robert John Bardo está em prisão perpétua por ter assassinado a atriz Rebecca Schaeffer em 1989. Bardo havia perseguido Rebecca por anos, até o dia do crime.


7 - Indivíduo narcisista e possessivo que comete o crimes motivado por ciúmes:
Criam uma fantasia passional que termina em surto. matam pessoas próximas a ele levados por ciumes.

Caso: Mark David Chapman.
Chapman foi responsável pelo assassinato a tiros do cantor John Lenon. Fã dos Beatles, Chapman considerava John Lenon um traidor.


8 - Sujeito não psicopata com raiva reprimida e que explode quando chega ao extremo: 
Têm raiva reprimida e traços depressivos. Matam quando chegam ao limite. Assassinos em massa, muitas vezes, se encaixam nesse colocação.


9 - Criminosos passionais com traços de psicopatia:
 Criminosos passionais, quase psicopatas. Matam motivados por extremo ciume.


Caso: Betty Broderick.
Betty não aceitou o divorcio e assassinou o ex-marido e a companheira dele. Recebeu 32 anos de prisão como pena.


10 -Pessoas não  psicopatas que matam pessoas que se encontram no caminho de um objetivo:
Assassinos que tiram pessoas de seu caminho, como testemunhas, por exemplo. São quase psicopatas.

Cena do crime no caso List

Caso: John List.
O veterano de guerra, John List, passou a nutrir ódio pelos familiares, por crer que não poderia mais sustentá-los. Matou a mulher, a mãe e os filhos de maneira planejada. Recebeu pena de prisão perpétua e morreu em 2008, na prisão.


11 - psicopatas que matam pessoas que se encontram no caminho de um objetivo:
Psicopatas que matam aqueles que atrapalham seus objetivos. Isso inclui membros da família e amigos próximos.

Robert Chambers

Caso: Robert Chambers.
Chambers era um ladrão barato, porém tinha sucesso com as mulheres, devido sua boa aparência. 1986, Chambers foi flagrado enquanto roubava a bolsa de uma de suas namoradas. Ele a estrangulou e abusou sexualmente. Depois de 15 anos na cadeia, em 2003, foi libertado.


12 - Psicopatas com sede de poder, que matam quando se sentem ameaçados:
Psicopatas que têm necessidade de poder devido suas personalidades megalomaníacas. Quando seus planos são impedidos por alguém, ele comete o assassinato. 


Caso: Jim Jones.
Jones foi o fundador da seita político-religiosa People's Temple.  Em 1978, após investidas do governo para investigar supostos abusos contra os direitos humanos, Jones levou mais de 900 seguidores seus a tomar uma mistura de cianeto de potássio e suco de uva, em Jonestown, "paraíso" do People's Temple, localizado na Guiana. Seu corpo com um ferimento a bala foi encontrado entre os quase mil corpos. 


13 - Psicopatas que matam motivados pela raiva:
Assassinos psicopatas com personalidade raivosa. A raiva é o motivo de seus crimes e o homicídio funciona como um "calmante".

O assassino de enfermeiras Speck
Caso: Richard Speck.
Richard foi responsável por oito homicídios contra meninas estudantes de enfermagem em 1966. Morreu em decorrência de ataque cardíaco, na cadeia.

 
14 - Psicopatas frios e egocêntricos, que matam em benefício próprio:


Caso célebre: Sante Kimes
Kimes, junto com seu filho, é responsável pelo assassinato de um banqueiro indiano em Nassau. Eles davam golpes com o intuito de acumular dinheiro. Os dois encontram-se presos e são suspeitos de mais 3 desaparecimentos.


15 - Psicopatas que cometem múltiplos homicídios:
Assassinos de sangue frio, cometem múltiplos crimes por pura diversão.

O spree killer Starweather

Caso: Charles Starkweather.
As primeiras vítimas de Starkweather foram os pais e a irmã de sua namorada, Caril Fugate. Após o crime, Charles e Caril fugiram e mataram mais seis pessoas pelo caminho. Charles foi condenado à morte, enquanto Caril ficou presa por 17 anos.

 
16 - Psicopatas que cometem atos de violência com intervalos longos:
assassinos em série psicopatas que praticam crimes violentos.

Swango no tribunal

Caso: Michael Swango.
Swango era formado em medicina e tinha uma fascinação mórbida por vítimas de acidentes graves. Ele tinha o costume de injetar substancias estranhas no corpo de suas vítimas e fez um grande números de vítimas fatais. Acabou preso e condenado a prisão perpétua.

 
17 - Assassinos psicopatas com perversões sexuais:
Assassinos em série psicopatas e sexualmente pervertidos que têm como principal intenção o estupro.

Caso: Ted Bundy
Ted estuprou e assassinou várias garotas em 3 estados americanos. Você pode ler mais sobre ele aqui.

 
18 - Homicidas torturadores:
Assassinos que matam suas vítimas após submete-las a intensas torturas, extremamente sádico.

Caso: Jerry Brudos
Jheromy Brudos desde tinha fascinação por sapatos femininos. Na idade adulta, ele começou a roubar sapatos, o que terminou em homicídios contra mulheres. Jerry amarrava e fotografava as vítimas. Sua esposa encontrou fotos tiradas por Jerry com mulheres espetadas. Jerry foi preso e pegou prisão perpétua. Morreu em decorrência de câncer em 2006.

19 - Psicopatas que não cometem crimes de morte, mas que são levados ao terrorismo, subjugação, intimidação e estupro.
Psicopatas, porém, nem sempre assassinos. cometem estupros, sequestro e atos de terrorismo.


Caso: Gary Krist
Gary começou a roubar na idade de 14 anos. Em 1968 ele  sua namorada sequestraram a filha de um milionário em Atlanta. A polícia localizou o casal e encontrou a vítima, ainda viva, enterrada em uma caixa de madeira. Gary foi condenado à perpétua, mas foi libertado 10 anos depois.

 
20 - Assassinos sádicos, que têm a tortura como principal motivo para os crimes:
Sadistas ao extremo, torturam e matam. Os indivíduos desse nível são portadores de esquizofrenia e psicoses, sendo considerado inimputáveis.

Caso: Joseph Kallinger
Kallinger assassinou um filho, tentou incendiar sua casa diversas vezes e, junto com um outro filho, invadiu torturou e roubou 4 famílias inteiras, alem de matar uma enfermeira. Morreu na prisão, vítima de ataque epilético.
 
21 - Psicopatas não homicidas, que torturam a vítima brutalmente:
Torturam as vitimas por prazer, mas não chegam a cometer homicídios.


Caso: Cameron Hooker. 
Hooker tinha um acordo com a esposa de que ele poderia ter uma escrava, com quem não faria sexo, mas poderia realizar brincadeiras. O casal sequestrou Colen Stan, de 23 anos de idade. Ela era mantida durante 22 horas do dia dentro de uma caixa, debaixo da cama de Hooker, além de sofrer tortura psicológica. Hooker foi dedurado pela esposa após manifestar o desejo de ter mais escravas.


22 - Psicopatas que torturam ao extremo, até a morte da vítima:
Assassinos psicopatas e sádicos, na maioria em série, que torturam suas vítimas até a morte.

O assassino BTK

Caso: Dennis Rader.
Denis, conhecido com BTK (bind, torture and kill, em português: amarra, tortura e mata) foi responsável por uma série de assassinatos, todos de extrema violência, entre os anos de 1974 e 1991. Foi condenado a 10 prisões perpétuas.


Esse foi o breve(?) índice da maldade. Em julho de 2003, o canal Discovery Channel (está aí a vantagem de se ter TV a cabo) começou a exibir um programa de nome índice de maldade apresentando casos famosos analisados pelo próprio Michael Stone. Como disse no começo, é evidente que muitos estudiosos sigam linhas diferentes das de Stone, mas vale, e muito, a pena conhecer o índice da maldade.

2 comentários: